Como faço para encontrar um amigo de graça

Como achar pessoas pelo nome na internet. Encontrar pessoa sem RG ou CPF, achar pessoas pelo nome, pais, parentes, amantes, qualquer um!! Agora é possível encontrar QUALQUER pessoa sem RG e CPF, usando apenas técnicas básicas para procurar o nome da pessoa em lugares como o Orkut e o site 123people.. Com a inclusão digital, nós a três anos atrás conseguiamos encontrar praticamente ... Como Encontrar um Número de Telefone. Coescrito por 13 colaboradores. ... Se você não for “amigo” da pessoa no Facebook, é possível que não consiga ver as informações de contato dela, como o número de telefone. ... Use o LinkedIn para encontrar o número de telefone de uma empresa. Uma vez por exemplo, em um feriado de 3 dias mais o final de semana, me pagaram um voo para a Califórnia, onde pintei uma casa por dois dias enquanto nos outros três dias a dona da casa me levou para viajar e conhecer outros lugares lá perto de onde estávamos como São Francisco e Monterrey. Receba em dobro Como casar de graça no civil Como conseguir um advogado de graça. Negociar dívidas. Os 5 passos para limpar seu nome Como negociar dívidas com o banco Como regularizar uma dívida ativa Vale a pena deixar a dívida prescrever? Qual a diferença entre SPC e Serasa? Calcule Calcule o financiamento do seu carro Dicas secretas como eu faço para gerar tráfego para meu site de graça. Este é um guia que uso e de fácil aplicação e qualquer pessoa pode usar em qualquer nicho eu vou mostrar o meu projeto secreto e como ganhar muito dinheiro de qualquer rede de afiliados. Hoje em dia, todo mundo tem um blog. Há vários sites que hospedam conteúdo de graça e permitem que os usuários façam suas próprias publicações sem precisar aprender HTML ou pagar por domínios em servidores. Como a blogosfera é uma plataforma pública, encontrar o blog de uma pessoa específica é muito fácil e rápido. O tempo passa e acabamos perdendo contato com pessoas que costumavam ser próximos e, por inúmeras razões, às vezes precisamos encontrar o endereço de alguém, seja para enviar uma carta ou para entrar em contato com um parente ou amigo que não se vê há muito tempo. Independentemente do motivo, em alguma ocasião pode ser necessário descobrir onde mora uma determinada pessoa. Como encontrar documentos de familiares falecidos quando você não tem todas as informações. Eu tive esse desafio. Assim, eu não sabia onde estava a certidão de casamento e a de óbito do meu bisavô italiano. Vou te contar como fiz para encontrar documentos de familiares falecidos! O casamento foi, contudo, fácil. Bom dia a todos, Estou com 54 anos, sou divorciado e sozinho, sou simples sem ser simplório, sou microempreendedor, estou sem relacionamento a 2 anos, e tenho tido dificuldade para encontrar uma mulher, meu desejo é um relacionamento de respeito, sério e com comprometimento futuro breve, e aproveito para parabenizar a iniciativa de nossa amiga Maya Santana. Como Fazer Amigos. Fazer amizade com gente nova dá medo de vez em quando, mas basta se abrir e sair da zona de conforto para conhecer pessoas interessantes e simpáticas. Comece aprendendo a buscar oportunidades para socializar (em grupos,...

Edgar Allan Poe - O Gato Preto e Outras Histórias

2020.09.04 05:42 SpeedHS11 Edgar Allan Poe - O Gato Preto e Outras Histórias

Edgar Allan Poe - O Gato Preto e Outras Histórias (editora PandorgA) 
https://preview.redd.it/216yppdxq1l51.jpg?width=566&format=pjpg&auto=webp&s=e5378e193d4acd6aab19abf302c57accc2e82527
Este livro contém 4 contos:
- o gato preto (1843)
- Ligeia (1838)
- a queda da Casa de Usher (1839)
- pequena conversa com a múmia (1839)

O Gato Preto (1843) 
''NÃO ESPERO NEM PEÇO que acreditem neste relato estranho, porém simples, que estou prester a escrever. Louco seria se eu o esperasse, em um caso onde meus próprios sentidos rejeitam o que eles mesmos testemunham.''
Faço das palavras de Poe as minhas, o conto começa com Poe falando de sua paixão por animais, e que sempre foi mimado pelos pais em relação à isso, o conto carrega toda uma história por trás, a começar pelo nome Plutão, que é o apelido de Hades (deus dos mortos), a cor preta, a superstição de que gatos pretos seriam bruxas disfarçadas e também a ideia de sete vidas dos gatos, todas essas características se encaixam perfeitamente no enredo do conto.
Com o passar do tempo, Poe foi mudando para uma pessoa pior, graças ao alcoolismo, se tornando mais melancólico, irritável, e indiferente às todos ao seu redor, menos ao gato, porém isso não durou muito tempo e o gato agora também passara a sofrer assim como todos os outros com as atitudes de Poe.
Quando Poe voltava para casa após mais uma noite de puro alcoolismo, percebeu que Plutão evitava-o, percebendo isso tratou de agarrar o gato, porém, o gato ficou assustado (com razão) e acabou dando uma pequena mordida em sua mão, isso despertou uma fúria (como o próprio Poe diz, demoníaca) e ele acaba por arrancar o olho do gato com um canivete que estava em seu bolso.
''de fazer o mal pelo único desejo de fazer o mal'' E foi assim que Poe fez o que ele julgava errado mas fez. Em uma manhã fria ele enforcou e matou o gato, no galho de uma árvore enquanto lágrimas escorriam de seus olhos, segundo as próprias palavras de Poe: ''enforquei-o porque sabia que assim fazendo estava cometendo um pecado - um pecado mortal, que comprometeria então minha alma importal e a colocaria - se tal coisa fosse possível - além do alcance da infinita misericórdia do Deus mais misericordioso e mais terrível.'' A noite do mesmo dia terminou com a casa de Poe em chamas, a cortina de seu quarto pegou fogo e por pouco conseguiram sair todos vivos e a casa acabou completamente destruída.
No dia seguinte ao incêndio, quando Poe visita as ruínas do que sobrou de sua casa, todas as paredes com exceção de uma tinham desabado e justo nessa única parede que não havia sido destruída completamente, estavam as palavras ''estranho!'', ''singular!'' e outras expressões similares, que despertaram a curiosidade de Poe, porém, o que mais o intrigava era o fato de que nessa mesma parede havia a figura de um gato de um gato gigantesco e havia uma corda ao redor do pescoço do anomal, Poe criou uma grande explicação para o ocorrido e se deu por satisfeito, embora dessa forma tenha prontamente satisfeito a razão, ele não poderia dizer o mesmo quanto à sua consciência.
Sem mais nem menos, surge um gato preto extremamente parecido com Plutão, no meio da noite em mais um dia de bebidas de Poe, os dois acabam gostando um do outro e assim, o gato segue para a casa de Poe e logo se familiariza com a casa e a esposa. Aos poucos por alguma razão Poe começou a sentir uma aversão ao gato, o fato do animal não ter um olho e a marca no peito do gato que antes era indefinida, mas agora essa marca branca passa a ser a imagem do enforcamento, contribuiram para essa aversão.
Certo dia enquanto ia para o seu porão, o gato mais uma vez o seguia e acompanhava-o, desta vez o gato acompanhava Poe enquanto descia as escadas e quando o fazendo cair, isso despertou uma fúria demoníaca em Poe, que na mesma hora pegou seu machado, quando estava pronto para matar o animal sua mulher interviu, desviando o golpe, sem pensar Poe enfiou o machado na cabeça de sua mulher, ela caiu morta sem sequer gemer.
Poe agora precisava se livrar do corpo, pensou e chegou na conclusão que deveria emparedá-la no porão, o que ele fez foi retirar os tijolos de um ponto da parede que havia uma saliência de uma falsa chaminé e fez no final das contas um ótimo trabalho.
O gato obviamente assustado com a situação fugiu e nunca mais voltou, isso despertou uma sensação de alívio em Poe, ele se sentia um homem livre, a sua consciência em relação sua mulher, pertubava- o pouco. No dia seguinte policiais foram até a casa fazer uma última busca e quando já estavam prestes a ir embora, Poe cita o quanto aquele porão fora bem construído e acaba por bater na parede com a bengala que segurava, na qual estava o cadáver de sua mulher do coração.
O eco da batida nem tinha acabado de soar quando uma voz de dentro respondeu com um uivo, como se tivesse vindo do inferno, com isso Poe quase desmaia até a parede do lado oposto, o cadáver ''com a boca vermelha escancarada e o olho solitário de fogo, estava sentada a criatura hedionda cujos ardis tinham me seduzido ao assassinato, e cuja voz delatora havia me condenado à forca. Eu tinha emparedado o monstro dentro da tumba!''
Ligeia (1838) 
O conto começa com Poe lembrando-se de Ligeia, fazendo grandes elogios e lembrando-se apenas que a encontrou pela primeira vez em alguma grande e decadente cidade às margens do Reno. Poe não se lembra do nome de sua família.
''Não existe beleza rara sem que haja algo de estranho em suas proporções''. Poe segue exaltando Ligeia: Alta, porte majestono, a quietude complacente de seu comportamento... A pele rivalizava com o mais puro marfim, a imponente fronte sobressaindo e a delicada proeminência acima de suas têmporas, as brilhantes e negras madeixas, negras como as asas de um corvo, luxuriantes cachos naturais, suas linhas delicadas do nariz, as covinhas, os olhos bem maiores do que o comum, a magnífica curvatura do lábio superior e o aspecto suave e voluptuoso do inferior. Ele se lembra de seus olhos, incríveis e incomuns, largos e luminosos, e sentiu fortes sentimentos ao lembrar de seus olhos, que só sentiu os mesmos sentimentos raramente quando: viu o crescimento de uma videira, numa mariposa, uma borboleta, um fluxo de água corrente...
Poe lembra dos primeiros anos de casamento, em que ele confiava em Ligeia em nível de confiança semelhante à de uma criança, a ser guiada por ela, em um caótico de investigação metafísica em que se achava ocupado durante os primeiros anos de casamento. Enquanto Poe acompanhava de perto a morte de Ligeia na cama, ela demonstra todo a sua paixão e pede a Poe que leia alguns de seus versos, logo após Poe terminar a leitura, Ligeia ergueu-se e teve espasmos, e então, abaixou os braços retornando ao leito de morte e morreu.
Meses depois do ocorrido, Poe, compra uma abadia em um lugar remoto da Inglaterra se casa com Lady Rowena, no primeiro mês de casamento ela temia o violento mau-humor de Poe seu temperadomento, que tanto evitava e amava. No segundo mês de casamento Lady Rowena fica doente e demora para se recuperar até que um segundo e mais violento acesso a acometeu, colocando-a de volta à cama em sofrimento, ela começa a ficar doente de forma mais grave e reccorente, Poe então decide dar uma taça de vinho para recuperá-la, foi aí então que ele ouviu passos leves sobre o carpete próximo a cama, e então quando Rowena estava prestes a bebero cálice, ele viu caindo dentro da taça, três ou quatro grande gotas de um brilhante líquido, porém ele achou que fosse tudo imaginação e não mencionou o fato à ela, algum tempo depois ela morre e seu corpo é preparado para o túmulo.
Com o tempo, Poe percebe que suas bochechas voltam a ficarem vermelhas, durante alguns dias ele escuta alguns sons do cadáver e havia até mesmo uma leve pulsação de seu coração, ela estava viva, porém, sempre indo e voltando da morte, com grandes sinais à prova, mas Poe não se importava e estava cansado das violentas emoções.
De repente, ela ergue-se da cama, cambaleando de olhos fechados avanã para o meio do quarto, Poe se aproxima e toca, fazendo assim cair os tecidos sinistros que a enrolavam, revelando assim seus cabelos negros, mais negros que as asas de um corvo da meia-noite e os grandes olhos, grandes, negros e selvagens de seu perdido amor, Lady Ligeia.
A queda da Casa de Usher (1839) 
Poe percorri de cavalo um caminho escuro, chegando à casa de Usher (sua caraterística principal era parecer excessivamente antiga) ele sente uma sensação de insuportável melancolia invadir seu espírito, ele chega até a sala grande e imponente em que Usher (um dos únicos amigos de infãncia e adolescência de Poe) estava, Usher então se levanta do sofá e o comprimenta calorosamente. Com sua voz que variava rapidamente de um indecisão trêmula até uma forma pesada e lenta de falar, ele contou sobre o objetivo da visita e do consolo que ele esperava sentir com a presença de Poe e abordou a causa de sua doença, disse que era um mal constitucional e familiar para o qual ele já não tinha esoerança de encontrar uma cura.
Ele sofria de um aguçamento mórbido dos sentidos: só suportava as comidas mais insípidas, só podia uisar vestes de certa textura, o cheiro de todas as flores o oprimia, uma mera luz fraca torturava seus olhos e somente alguns sons não lhe inspiravam horror. Poe percebe pouco a pouco por meio de alusões entrecortadas e ambíguas, ele estava dominado por certas impressões supersticiosas com relação ao imóvel onde vivia e de onde, por muitos anos, nunca havia se aventurado a sair, superstições acerca de uma influência cuja força hipotética foi descrita em termos muito obscuros para ser relatada aqui e a aproximação evidente e iminente da morte de sua querida e amada irmã, lady Madeline.
Lady Madeline tinha uma apatia, uma devastação física lenta e gradual, e frequentes afecções de um caráter parcialmente cataléptico. Até então, lutara com firmeza contra a doença e não se entregara à cama, mas, ao final da noite, ela sucumbiu e Poe nunca mais a veria a mesma dama pelo menos enquanto vivesse.
Usher declarou que tinha a intenção de preservar o corpo da irmã por quinze dias (antes de finalmente sepultá-la), em uma das várias câmara que existiam dentro dos muro principais da casa, a razão era o caráter incomum da morte da falecida e as inevitáveis perguntas inoportunas e impulsivas por parte dos médicos, Poe ajuda pessoalmente nos preparativos do sepultamento temporário, levam ao à uma câmara que estivera fechada por muito tempo e lá é revelado que Usher e sua irmã eram gêmeos.
Uma noite tempestuosa, ma terrivelmente bela invadiu o quarto quase erguendo-os do chão, um vapor agitado subia pela casa e a encobria como uma mortalha, Poe logo retirou Usher de perto da janelo e colocou-o na poltrona, lendo um de seus romances favoritos: ''O Louco Triste'' de Sir Launcelot Canning.
Ao terminar a leitura, em que um escuto havia caído sobre um piso de prata, Poe, como escuta como se relamente um escudo de bronze tivesse caído com todo seu peso sobre um pavimento de prata. Quando Usher é questionado por Poe sobre o barulho, Usher: ''Sim, eu ouço e tenho ouvido. Por muito... muito... muito tempo... por muitos minutos, muitas horas, muitdos dias ouvi... Nós a colocamos viva no túmulo! INSENSATO! ESTOU LHE DIZENDO QUE ELA AGORA ESTÁ DO OUTRO LADO DA PORTA!''
Como em um passe de mágica, a porta para que Usher apotava abriu lentamente, e lá estava a figura alta e amortalhada de lady Madeline Usher. Então, com um lamento baixo, desabou pesadamente sobre o corpo do irmão, e em sua agonia final, arrastou-o para o chão, morto, vítima dos terrores que havia previsto.
Poe então foge horrorizado daquele quarto e daquela mansão, de repente, uma luz forte surgiu no caminho, era a luz da lua cheia, um vermelho escalarte que brilhava através daquela rachadura na mansão e que se estendia até do telhado até o chão. Dali veio um sopro forte do redemoinho, as grandes paredes desabavam enquanto se ouvia uma demorada e tumultuada gritaria, como se o ruído viesse de mil aguaceiros, e o lago profundo e gélico aos seus pés se fecharam, de forma sombria e silenciosa, sobre os destroços da ''Casa de Usher''.
Pequena Conversa Com a Múmia (1839) 
O simpósio (festa após um banquete) da noite anterior tinha sido demais para Poe, com uma dor de cabeça miserável e caindo de sono preferiu fazer uma última refeição antes de dormir (Welsh rabbit). Porém, ainda não completara o terceiro ronco quando a camapinha começa a tocar furiosiamente, era um bilhete do doutor Pononner, que dizia que obteve o consentimento dos direitos do museu da cidade para examinar uma Múmia, em um salto se levantou da cama rumo à casa do doutor.
Chegando na casa do doutor ele encontrara um grupo ansioso e a Múmia, encontrada às margens do Nilo, estendida sobre a mesa de jantar, acâmara onde fora encontrada a Múmia era rica em ilustrações, isso indicava uma vasta riqueza do morto. Encontraram o corpo em ótimo estado de preservação, sem nenhum odor perceptível, cor avermelhada, olhos removidos e substituídos por olhos de vidro, cabelos e dentes em boas condições. Quando perceberam que já passava de duas horas da manhã, decidiram adiar a dissecação até a noite seguinte, porém, alguém surgiu com a ideia de fazer um experimento com a pilha de Volta (aplicar eletricidade).
Prestes a ir embora, Poe se depara com as pálpebras da Múmia coberta pelas pálpebras, depois do choque inicial decidiram prosseguir com um novo experimento, e, durante o mesmo, a Múmia desfere um pontapé no doutor Ponnonner que foi lançado à rua janela abaixo. Depois de iniciarem o teste elétrico a Múmia espirrou, sentou e se dirigiu aos senhores Gliddon e Buckingham com um egípcio perfeito um discurso, neste discurso ele reclamou de ser despido num dia frio e da forma como fora tratado.
Gliddon fez um discurso em que citava principalment os enormes benefícios que a ciência podera obter com o desenrolamento e a evisceração das múmias e aproveitou o momento para se desculpar por qualquer incômodo que pudéssemos ter causado à múmia Allamistakeo, reparando que ela estava se tremendo de frio, o doutor correu e logo voltou com uma casaca preta, um par de calças xadrez azul-celeste, uma camisa xadrezinha cor de rosa, um colete de brocado com abas, um sobretudo branco, uma bengala de passeio, um chapéu sem aba, um par de botas de verniz, um par de luvas de pelica cor de palha, um monóculo, um par de suíças e uma gravata cascata.
Seguiu-se uma série de perguntas e de cálculos pelos quais se tornou evidente que a antiguidade da múmia tinha sido muito mal avaliada, haviam passado cinco mil e cinquenta anos e alguns meses desde que ela tinha sido despachada. Logo depois a múmia explica o princípio fundamental do embalsamento e que gozava de ter o privilégio de ter nas veias sangue do Escaravelho, pois só assim teria o direito em sua época de ser embalsamado vivo. O Escaravelho era o brasão, as ''armas'' de uma família muito nobre e muito distinta, pois era comum se retirar o cérebro e as vísceras do cadáver antes de embalsamá'lo, só o clá dos Escaravelhos não seguia essa regra.
''Veja nossa arquitetura!'' gritava Ponnonner. ''A Fonte Bowling-Green!Ou, se esse espetáculo e imponente demais, contemple por um instante o Capitólio, em Washington, D. C.! E o bom doutorzinho chegou até a detalhar de forma minuciosa as proporções do edifício a que se referia. Explicou que o pórtico era adornado com não menos que vinte e quatro colunas, cada uma com um metro e meio de diâmetro e colocadas a três metros de distância umas das outras.
O conde respondeu que lamentava não se lembrar das dimensões precisas de nenhum dos edifícios principais da cidade de Aznac, cuja fundação se perdia na noite dos séculos, mas cujas ruínas permaneciam ainda de pé, se lembrou de ter visto um palácio secundário que tinha cento e quarenta e quatro colunas, com onze metros de circunferência e sete metros de distância entre cada uma delas, o acessoa esse pórtiro, vindo do Nilo, era feito através de uma avenida de três quilômetros, composta por esfinges, estátuas e obeliscos de seis, dezoito e trinta metros de altura. O palácio em si tinha, só em uma das direções três quilômetros de comprimento e deveria ter, ao todo, uns onze de circuito. As paredes eram ricamente decoradas, por dentro e por fora, com pinturas hieroglíficas. Ele não pretendia afirmar que até cinquenta ou sessenta dos Capitólios do doutor poderiam ter sido construídos dentro dessas paredes, mas que tinmha absoluta certeza de que duas ou três centenas deles se espremeriam ali com alguma dificuldade.
Nisso se seguiu a noite com os cavalheiros fazendo perguntas complexas ao egípcio, que respondia todas surpreendentemente bem, os cavalheiros não sabiam mais que perguntas fazerem, pois, a cada pergunta que faziam, o egípcio respondia todas e simplesmente os calava com sua superioridade egípcia em basicamente todas as áreas mencionadas pelos cavalheiros ali presente.
Porém, quando estavam prestes a serem derrotados intelectualmente, Ponnonner perguntou se as pessoas no Egito realmente pretendiam rivalizar com as pessoas modernas, na importantíssima questão do vestuário. O conde então olhou para os suspensórios de suas calças e, segurando a ponta de seu fraque, segurou-os perto dos olhos por alguns minutos. Deixando-os cair finalmente, sua boca escancarou-se gradualmente de uma orelha à outra, mas não me lembro se respondeu alguma coisa.
O egípcio baixou a cabeça. Nunca houve um triunfo tão completo, nunca antes a derrota foi assumida com tanto despeito, Poe pega seu chapéu e parte para casa. Chegou em casa depois das quatro horas da manhã e foi-se deitar, agora eram dez horas da manhã com Poe escrevendo estas lembranças, ansioso para saber quem será o Presidente em 2045, iria procurar o doutor Ponnonner e pedir para que seja embalsamado por alguns séculos.
submitted by SpeedHS11 to Livros [link] [comments]


2020.05.29 16:43 mateusonego Não aguento mais me arrepender

Bom dia, povo! Espero que estejam sobrevivendo aí, e bem.

TL;DR: Ateu mal-acostumado, ainda projeto o julgamento de Deus em todas as áreas e pessoas, e não suporto mais sentir culpa nem arrependimentos - o único futuro que vejo é me isolando e vivendo sozinho, sem interagir nem construir nada com mais ninguém, o que rouba todo o sentido da vida humana. Não sei mais o que fazer comigo.

Bom não tenho certeza do que eu pretendo com isso, mas eu honestamente não faço mais ideia de que direção tomar, e senti que pôr tudo pra fora pode elucidar alguma coisa. Peço desculpas desde já pela bíblia abaixo (quem ler vai rir da escolha de palavras) mas eu não sei identificar limites e necessidades ¯\_(ツ)_/¯ prefiro dar mais detalhes do que devo.
Enfim, já faz alguns anos que eu tenho depressão. Sempre fui uma pessoa muito ansiosa, a ponto de precisar me consultar a respeito algumas vezes enquanto criança. Me parece que a coisa toda começou principalmente depois que meu pai faleceu (doença cardiovascular - eu tinha 5 anos).
Eu não passava o meu dia com meu núcleo familiar (minha mãe sempre trabalhou, eu sempre fiquei com uma tia até pelo menos os 12), então ficava o dia todo na TV e quando chegava em casa a noite ia direto pro computador. Eu sou negro (sempre sozinho em espaços brancos, só bem mais tarde eu ia entender o que isso significava e começar a perceber as consequências), sempre fui mlk de prédio (cohab - de bem favorecida minha família não tem nada, mas graças a Deus nunca passamos fome), e minha mãe não percebeu o quanto eu me fechava conforme o tempo passava. Passei minha infância inteira brincando literalmente sozinho, fazendo todos os papeis etc rs e nem sei dizer o quão rápido me acostumei a passar o tempo integralmente dentro da minha própria cabeça.
Porque eu não entendi muito bem a morte do meu pai, e por conta de como eram as coisas na minha família (minha tia era paranoica, meu tio era um absoluto escroto em todas as áreas, minhas primas eram frustradas e descontavam um pouco em mim - nada demais, minha família sempre foi bastante amorosa, na verdade, não posso reclamar disso -), e por conta de eu passar uns 25% do meu tempo com minha mãe no máximo, que quando tava comigo tava cobrando sobre a escola etc, papo padrão de mãe ausente (não culpo ela em nada, minha mãe sempre foi esforçada pra cacete e lutou muito pra subir aos poucos na vida, sempre se fez o mais presente possível e demonstrou amor incondicional, sempre deixou claro que me ama não importa a merda que eu faça - mas o fato é, ela sempre me cobrou muito das coisas, não exatamente da forma mais inteligente), minha terapeuta disse que meu cérebro me responsabiliza de alguma forma pela ausência do meu pai (como se eu tivesse cometido algum erro, e por ISSO ele tivesse saído da minha vida), e hoje entendemos que meu cérebro associou toda essa mistureba como: "não posso errar, nunca, preciso ser capaz de cuidar das minhas responsabilidades, se não os outros não vão querer saber de mim, e eu ainda posso prejudicar eles, pôr o esforço deles a perder, então eu nunca posso fazer nada que não seja a melhor e mais perfeita coisa que eu poderia ter feito no momento".
Soma-se a isso o fato de minha família ser aquelas tradicionais evangélicas neo-petencostais, e toda minha insegurança foi armada e munida: eu sempre levei a coisa a sério, me esforcei para viver de acordo com filosofias ou de acordo com as conclusões que eu chegasse, achava que era questão de vida ou morte (ser salvo ou ir pro inferno) que eu ponderasse muito sobre minhas escolhas e fosse compromissado - só assim eu verdadeiramente estaria fazendo a vontade de Deus, só ignorando o mundo e as tendências e me reservando a ficar sempre na contra mão.
Eu nunca me senti bem, feliz ou satisfeito. O estado mais positivo que eu já consegui alcançar foi "conformado", mas mesmo enquanto amparado pela fé, eu não via muito sentido nas coisas, não conseguia enxergar propósito que não fosse Deus, e a forma de lidar com esse propósito - combatendo o mundo, pra convencê-lo a se salvar - me frustrava. Mas a coisa tomou outro patamar quando, depois de uns anos levando a sério a religião, eu me dei conta que não cria em mais nada. Aí, a depressão que se mascarava como descontentamento se assumiu de verdade, e só então eu reparei há quanto tempo eu andava desejando morrer mas não admitia para mim mesmo. Foi só quando eu parei de encarar o suicídio como um pecado, que eu passei a reconhecer com quanta intensidade eu sempre flertei com ele. Isso faz uns 10 anos, e de lá pra cá, a vontade de abandonar tudo só cresceu - e hoje eu sinto que isso é especialmente pq eu passei o papel de "Deus" pras outras pessoas, ou pra sociedade: cada ação minha está sendo pesada por alguém - ou será pesada por cada pessoa que passar pela minha vida - e meus acertos determinarão meu valor enquanto pessoa.
Nunca tive problemas para ter amigos, mas sempre me senti bastante deslocado (negro e cristão, né, nunca me sentia completamente pertencente). Sempre fui inseguro e sem malícia demais pra ter atitude para ter um relacionamento, e como eu era cristão e tem toda a parada de sexo etc, enfim, eu fui demorar para ter meu primeiro relacionamento, que eu abri mão pq não dava conta de quão mal eu me sentia, do quanto eu me cobrava ou me culpava por tudo, do quanto de ciúmes que eu sentia, etc.
A vida passou, eu deixei de ser cristão, comecei a entender melhor a sociedade, comecei a fumar maconha, fumei muita maconha, e no meu 3º relacionamento minha namorada percebeu que tinha coisas dentro de mim com as quais eu não sabia como lidar, e me convenceu a fazer terapia, por mim, e por nós. Eu comecei a fazer. entendi muitas das coisas que mencionei aqui, tivemos anos de muita alegria, fomos morar juntos, eu seguia com a terapia e tomando remédios etc, até que... fomos nos afastando... e eventualmente terminamos. Na época eu não sabia direito identificar o que tinha acontecido. Hoje, eu acho que fumávamos demais, eu em especial, e não estava me esforçando de verdade para estar com os outros e fazer coisas novas, eu só queria saber de fumar, tava afstando ela da família dela, enfim... provavelmente acabei entregando um relacionamento tóxico pra ela, ou até abusivo.
Eu moro sozinho há uns 2 anos e meio agora. Sigo fazendo terapia e tomando remédios (só 10 por dia). Continuo fumando maconha, pq é a única coisa que alivia o dia-a-dia, tentando reduzir bem (hoje fumo 1/3 do que fumava no começo do ano, por ex - mas ainda fumo um pouco todos os dias, e minha psiquiatra sabe). Eu sei que isso já detonou minha noção de tempo, realidade, felicidade, vida, etc... Estou ansioso num nível que, de tanto mexer o meu calcanhar, eu literalmente to com problemas pra descer escadas ou ladeiras, sei lá, meu músculo buga e começa a tremer.
Eu tive um relacionamento no fim do ano passado, mas invadi todos os espaços dela sem a menor paciência, cobrava atenção que não fazia sentido pro que tínhamos, enfim, creio que projetei uma "continuação" do meu último relacionamento, não soube identificar como recomeçar a conhecer e ficar com alguém.
Nos últimos meses minha mente abriu muito pra muita coisa, e eu deixei de me culpar de muita coisa. Entendi algumas das minhas limitações, e que eu poderia escolher a vida que eu queria levar, dia após dia, eu posso escolher como levar meus dias. Eu trabalho, pago minhas contas, tenho um relacionamento ok com minha família, não devo nada a ninguém. Entendi por ex que eu provavelmente não tinha machucado minha última companheira, mas eu sem dúvidas frustrei muito a ela e a mim, e absolutamente gratuito.
Enfim. To há mais de um ano sem conseguir dormir 5h seguidas (serião), e aí pow, quarentena, não tenho o que fazer além de pensar na vida. Antigamente eu via muitos filmes e séries, ouvia música o dia inteiro etc, ultimamente SÓ consigo ver animes (não sei se pq os episódios são curtos, por conta da variedade, se é pq eu sou uma eterna criança, se é pq eu acho mais fácil refletir em cima das problemáticas...). Não aguento mais sonhar com o passado, não aguento mais sentir saudades das pessoas que passaram pela minha vida (especialmente minha noiva), não aguento mais não ter perspectiva nem vontade de futuro. Faz alguns meses já que eu tenho certeza absoluta que só estou vivo ainda pela minha família. Eu não queria, não tenho força nem ânimo pra sonhar com nada que eu queira pra mim, ou com nada que eu acredite que possa alcançar. Eu sinto que nenhum esforço pra ser feliz ou chegar em lugar nenhum nunca vai compensar as tristezas, as dores, e acima de tudo, os arrependimentos. Por mim, posso dizer isso sem medo algum, eu já tinha ido embora há alguns meses. Tenho até umas receitas naturais salvas pro dia que a coragem chegar (mas ela nunca vai chegar, eu nunca faria isso com minha mãe e meu irmão)
O que me mata são os arrependimentos. Eu demorei, mas entendi que tem muita gente pelo mundo, e que as pessoas vem e vão mesmo, isso é inevitável, e não precisa ser negativo. Eu não tenho "medo" de nunca encontrar ninguém, por exemplo. Mas meus sentimentos de culpa são TÃO fortes que eu nunca mais quero arriscar sentir isso por ninguém. Nunca mais quero sentir que decepcionei alguém, e tb não quero me frustrar. Eu sou honesto demais (acho que deu pra perceber), e embora leia MUITO as pessoas, nunca aprendi a lidar com o ritmo do mundo ou com a relação que as pessoas tem com a própria vida - esse ano me dei conta que continuo absurdamente religioso com a vida, to tendo que desconstruir pra entender como não encarar cada segundo como uma responsabilidade de tomar a decisão certa. Mas ainda dói demais pensar que eu machuquei as pessoas, e me dar conta que eu perdi oportunidades e pessoas por ser burro e egocêntrico. Ainda encaro os acontecimentos como decisivos, ou "destino". E decidi esse ano que ia me concentrar em mim, juntar uma grana, melhorar um pouco de vida e tal - mas quarentena, e aí no meio dela eu vi o quanto eu ainda me sinto dependente da validação dos outros (é um pouco de carência tb sim, mas é realmente uma necessidade de validação absurda), e que precisava aprender a superar.
Mas os dias passam, e minha cabeça não muda: to sozinho pq fiz muita merda, pq fui ansioso e egoísta, sou estranho e introvertido demais pra me relacionar com amigos ou parceiras de qualquer grau, e, como sei que preciso ficar vivo, pelo menos até minha mãe morrer, a única estratégia que eu vejo é se eu me fechar pra todo mundo e aprender a me aceitar sozinho. E eu realmente não posso dar brechas pra ninguém participar da minha vida, pq as preocupações me consomem, e eu sinto o arrependimento antes mesmo de fazer qualquer coisa.
Bom, é isso. Se você chegou aqui, parabéns. Recomendo agora um Neil Gaiman, um C. S. Lewis, ou pq não um Marx né. Como eu disse, não sei onde eu quero chegar. Acho que só precisava pôr pra fora. Por favor fiquem mais que à vontade pra comentarem qualquer merda, não to esperando ajuda nem forças, nem compreensão na verdade, mas eu sei que vcs vão me entender (talvez eu esteja procurando perdão, ou redenção?). Se alguém tiver passado por qualqueeeeeer coisa parecida, tamos aí para conversar.
Mas é isso amiguinhos, não se deixem acumular culpas, nós raramente temos, o mundo é difícil e cruel e cada favelado é um universo em crise. Sempre erraremos e sempre teremos de dar um jeito de levantar no dia seguinte. Cabe a cada um escolher como e com quem quer fazer isso. Boa sorte pra nós, pois Brasil. Muito amor, paz e saúde.
submitted by mateusonego to desabafos [link] [comments]


2020.05.28 19:48 newbguy_ O primeiro chifre a gente nunca esquece

Olá Luba, falecidos papelões (RIP), gatas, editores e tuuurma, hoje vou compartilhar com vocês como eu adquiri essa bela galha que hoje exibo (só pra constar: um homem sem chifre é um animal indefeso)
O ano era 2019, mas antes de tdo precisamos contextualizar um pouco, eu sempre fui criado muito "certinho" por uma família bem conservadora, e não achava certo ficar só por ficar, por isso perdi meu bv somente em 2018, com minha primeira namorada ( com 18 fucking anos). Depois que o nosso relacionamento acabou, após 9 meses, fiquei muito carente (é fácil ficar 18 anos sem beijo se vc não sabe o que está perdendo mas dps que você sabe huahauau), e foi nesse contexto que um amigo da faculdade me apresentou a "Carla Tubaroa" (nome fictício), numa lanchonete do lado da facul. Nós conversamos muito e resolvemos ficar um dia na faculdade,estava indo de acordo com um princípio mas ok, uma vez não faz mal, certo? Só que não foi só uma vez, nas próximas semanas ficamos várias vezes, intervalo de aula, ou até mesmo matava alguma aula (crianças não façam isso). Me senti muito mal por estar fazendo algo que fui ensinado ser errado, então tive uma solução muito big brain, resolvi pedir Carla Tubaroa em namoro. Ela aceitou (apesar dela ter só 3 meses que tinha saído de um relacionamento longo). Estava todo feliz, no namoro recente de 2 semanas,só que não contava com uma coisa: férias de dezembro. Acabou o semestre, eu voltei pra minha cidade natal passar férias com minha família e Carla Tubaroa ficou na cidade dela, tínhamos feitos mil planos de eu visitar ela, ela me visitar e até talvez passarmos o réveillon juntos, no entanto na primeira semana de férias Carla ficou estranha, começou a caçar briga por qualquer motivo e quando tentava reconciliar ela sumia, desaparecia por um dia ou dois, e nesse tempo postava tdo como se estivesse normal, viajou até em um fds enquanto estavámos brigando. E qnt a viagem que tínhamos combinado pra nos vermos durante as férias, sempre teve uma desculpa e nunca aconteceu. Em uma segunda, depois de muitas brigas, Carla contou que no próximo fim de semana iria pra uma festa de aniversário, e que o ex estaria lá, pelo que ela tinha me contato ele era um pouco abusivo,fiquei preocupado de acontecer algo mais sério e disse pra ela tomar cuidado (na intenção de se proteger) ela disse que era só não beber que estaria certo (dando a entender que poderia vir a ter uma recaída e ficar com ele), no momento a paciência acabou, não fui excessivo no ciúme mas acho que ninguém gostaria de ouvir isso, certo?
Como a relação já estava desgastada, terminamos,por telefone mesmo (horrível). Eu como sensato fui silenciar ela nas redes sociais, Facebook, insta, twitter. Não queria parecer imaturo e desfazer amizades, mas também não queria ver todos posts durante aquele período de luto, pra minha surpresa quando entro no Facebook para silencia-la ela tinha sido marcada numa foto, no domingo, no dia anterior ao nosso término, onde estava ela uma amiga e pasmem, o ex. Isso mesmo um fds antes ela já tinha ido em alguma outra festa e já estava toda abraçada com o "falecido" que tinha acabado de ressuscitar.
Bom foi aí que deduzi que era web corno, graças ao tio Zuckerberg. Me doeu mto a cara de pau da Carla Tubaroa de nem se preocupar com foto, ou tentar esconder, mas ser livremente marcada por um amiga e por aí vai. Mas não resolvi dizer nada, não sei se por ser mto trouxa ou por achar que nem valia a pena mais.
É isso, hoje rio e faço piada disso com meus amigos, e isso só me mostrou que vou morrer sozinho, assim como o Luba! Hsushus brincadeira Lubisco, vamos encontrar alguém algum dia.Menor igual a 30, bjos!!
submitted by newbguy_ to TurmaFeira [link] [comments]


2020.05.19 04:51 lucius1309 A MELHOR SENSAÇÃO DO MUNDO


É sempre um processo doloroso voltar às teclas, mas ás vezes é necessário. Quando fico muito tempo longe disso, parece que vou me enchendo um pouco de tudo, fico irritadiço muito facilmente e preciso vir aqui dar uma esvaziada básica.
Pra me ajudar nesse processo, segue a trilha sonora da noite.
THE DOORS - THE SOFT PARADE (1969)
https://www.youtube.com/playlist?list=PLkLimRXN6NKxwmhQhY_eTQQq-OzcA9bDS
Começando o texto como deveria começar, devo ressaltar que agora tenho um computador decente, adquirido no meu recém novo trabalho que até o momento é pioneiro (nunca vi ninguém fazer exatamente o que eu faço), e bom, ganhei um computador do meu chefe. O que é bem legal. Pra ele não faz muita diferença, uma vez que ele tira uns 50k por mês graças às suas empresas que geram lucro todos os dias da semana, 30 dias no mês e 365 dias no ano. E eu faço parte disso, com um salário muito mais modesto, sim, mas ainda assim, algo que nunca esperei pra minha vida, em momento nenhum, que fosse possível.
Ok, tenho deixado de lado a escrita, e isso é um processo natural, não vou dizer que é falta de tempo pois tenho tido muito tempo, trabalho agora igual deputado (três dias na semana, quatro ou cinco horas por dia) e basicamente só tomo decisões importantes para o rumo de todas as empresas do grupo.
Nada mal pra um bêbado de merda que costumava pedir moedas na rua pra juntar dois conto e poder comprar um Corote de meio litro.
Não estou aqui pra me gabar, estou só tentando explicar que junto com a arte existe necessariamente o sofrimento, e quando não há o sofrimento, a arte se torna quase impossível. Como não sou obrigado a forçar a arte, prefiro me abster, como venho fazendo.
Estou aqui pra falar um pouco sobre seres humanos e seus comportamentos, não necessariamente fazer arte.
Devido à recente pandemia o mundo vem passando por mudanças interessantes, e algumas delas deveriam ser mantidas, como por exemplo, a ideia de home office. Quero dizer, o chefe gosta de ter o empregado por perto, pra poder sadicamente sentir que tem o controle sobre ele, sobre quantos cafés o sujeito toma ou sobre quantas vezes ele vai ao banheiro, limitando claro que ele tem uma hora de almoço somente e que essa hora deve ser quando o chefe achar melhor. Mesmo que ele passe a maior parte do dia sem fazer muita coisa.
Pensem comigo, quanto menos pessoas precisarem ir aos seus ambientes de trabalho, menos trânsito, menos transporte público cheio, menos gastos pra empresa com infraestrutura, menos gastos com cafezinho e inclusive com vale refeição e vale transporte. E o funcionário pode trabalhar o dia todo de cueca em frente ao computador enquanto acaricia seu gato.
Nada mal.
Claro que nem todos podem se dar a esse luxo, mas se um por cento puder, muito melhor.
Estamos todos sendo sugados até o nosso talo. Meus amigos de trinta anos de idade estão todos ACABADOS. A cara deles entrega seres humanos cansados, exaustos de um sistema em que eles foram inseridos e que tem pouca chance de mudar, ou de dar ideias novas. Somos sim presos a um sistema, e qualquer um que queira viver fora do sistema é marginalizado, geralmente de forma bem pejorativa, claro.
Mas mudando de pato pra ganso.
A boa notícia é que vamos sobreviver à pandemia, e a má notícia é que muitas pessoas vão morrer ainda. Muitas. Isso é inevitável, por mais que tomemos cuidado, por mais que sigamos as ordens dos orgãos de saúde. Muitos ainda vão morrer.
Adultos, idosos, crianças, ricos, pobres, de qualquer cor, credo ou opção sexual. A doença é democrática. Não escolhe.
Antes eu me orgulhava de bons empregos, bucetas lindas que comi ou baladas caras que eu fui, não nego, meu ego se tornava gigante diante de algumas situações que eram proporcionadas a mim. Já hoje, depois de ter vivido dez anos a mil, me sinto privilegiado de ter um pouco de consciência coletiva, honestidade e principalmente paciência. Isso é o que me ajuda a me manter sem encher o cu de cachaça.
Não nego que gosto de encher o cu de cachaça, mas algumas coisas devem mudar para que a vida possa prosseguir. Como mudamos nossos comportamentos devido à pandemia.
Não conheci ainda sensação melhor no mundo do que me trancar num quarto, desligar o telefone, a televisão e o rádio, colocar vários discos pra tocar e encher o rabo de Velho Barreiro por (pelo menos) três dias direto. No escuro, claro. E se alguém tocasse minha campainha, eu fingia que não estava. Era e ainda é a melhor sensação que eu senti na vida.
Mas o preço a se pagar era alto demais: dores no fígado, loucura, alucinações, surtos de raiva, vontade de chorar, quebra de mobília, etc. Então optei por viver de outra forma, hoje levo uma vida tranquila sem grandes aventuras, e por enquanto ainda não encontrei a verdadeira adrenalina da vida sem drogas e álcool, mas tem sido melhor assim.
A beleza das coisas às vezes não é visível.
Tudo pode estar oculto e não percebemos o valor até que não tenhamos mais.
Por enquanto, tudo no seu devido lugar. Prometo me cuidar mais, prometo não me suicidar amanhã, prometo principalmente trabalhar minhas emoções pra que eu possa sentí-las verdadeiramente e encontrar dentro do meu passado onde tudo começou a dar errado. Sei que tá lá, tenho certeza disso.
Prometo continuar colocando comida na mesa da minha casa e cuidando dos gatos que correm pelos corredores.
Vida longe de estar perfeita, mas qual vida É perfeita? Isso mesmo, nenhuma.
submitted by lucius1309 to desabafos [link] [comments]


2020.04.10 00:44 CabacinhoBreaker Conto: Carta Para Zeca

Quanto tempo leva para uma reflexão tomar forma dentro do circuito do pensamento emotivo? Emoção é a reação do que afeta direta ou indiretamente o nosso campo de sensores que são vastos, digo isso para todos aqueles que creem no invisível e que salta aos olhos como uma silhueta na escuridão. Está tão perto e tão latente mas, qual a medida para entender tudo isso? A razão é a balança dos aflitos que velejam numa nau à pique.
Zeca observava o mundo de longe certo de que estava antes daquela vírgula da existência, essa que faz refletir, protegido no receptáculo de sua antena parabólica ficava estático ele mesmo, assistia a novela de Rebeca sua vizinha, nascida de dias e com uma mãe desastrada. Batia de lá e de cá seu corpo mas nunca deixando a recém nascida amassar nas portas, embora parecesse que o pai quisesse. Zeca já tinha testemunhado o pai, grande e corpulento, de olhos fundos e nariz perfurante, olhando para a mãe, passava para Rebeca, e parecendo um surto de arrependimento da existência da menina, fechava a porta na cara da mãe. Ela não prestava, e parecia um vegetal, ele era quem dava energia para uma casa toda com seus dedos que pegavam o que queria na sua geladeira fedida; seus pés descalços que descarregavam toda uma tensão da casa, o que Zeca achava engraçado, se pudesse passar a navalha nesse calcanhar invisível da mágoa ele desjuntaria o pé inteiro.
De conversa com ela uma vez Zeca insistiu no motivo de ela estar onde estava, a mãe olhava a menina com uns olhinhos de jabuticaba que dava brilho no canto, daí olhava para o chão e virava o olho para dentro buscando uma saída do que ele não podia evitar, daí lançava a mão parecendo que ia descolar do corpo, mole de lado, dizendo que quem sustentava a casa era ele e Rebeca era uma inspiração de vida! Desse jeito mesmo que saía, ela botava tanta convicção que as palavras vibravam quando saiam de sua boca, a última até parecia uma moeda que estava debaixo da língua e escapou sem querer. Olhei nos olhos dela, rasos.
Agora Zeca insiste em tomar uma dose de verdade todo dia, recolher todas essas moedas que caem dos olhos e das bocas de seus amigos, juntando tudo um dia talvez ele compre a tão sonhada liberdade que ele persegue de dentro de seu barquinho.
“Mandai a faísca de um raio pra me iluminar
Segura pedra na pedreira não deixa rolar
Xangô, Kaô meu pai
Seus filhos bambeiam mas não caem”
Zeca
Carta Para Zeca
Olá meu querido amigo, como você está? Espero que bem.
Eu estava mexendo nuns papéis antigos e reli uma crônica que você me fez 3 anos atrás, lembrei tanto de você esses tempos que resolvi escrever.
Hoje é dia 24 de dezembro e está um calor danado aqui em São Bernardo, me mudei para o Silvina depois de uns dois meses que a Rebeca nasceu e foi uma das melhores coisas que fiz; a casa é bem maior, porém fica bem perto do ponto de ônibus lá na ponta do morro.
Por falar em Rebeca ela não para mais. Anda de um lado pro outro Zeca como se fosse a rainha da casa, pega as panelas e bate tudo no chão. Devaldo nem liga mais depois de comprar a quinta, e eu não faço questão também, ela precisa de brinquedos e eu me viro como posso sabe?
Falando nele, sua crônica foi importantíssima para mim Zeca, você sempre me estimulou a escrever e só fiz isso agora, depois de anos, porque me sinto muito mais segura e motivada. Ainda lembro de cada palavra sua. É claro que é meio desconcertante também, você escreve tão bem e eu não sabia nem articular o que se passava dentro de mim, agora vou te falar, da melhor forma que eu encontrar.
Devaldo parecia que tinha desistido de tudo, aquele jeito turrão e mandão dele de ser passou depois do primeiro ano da nossa filha, eu agradeci muito à Deus, mas ainda faltava alguma coisa sabe? Ele parecia fantasma dentro de casa Zeca, a gente não tinha brigado nem nada e ele me procurava bem pouco para fazer amor, dizia que a rotina do serviço estava acabando com ele mas eu não precisava me preocupar com nada, que focasse na pequena pra ela não ficar que nem as “meninas do pé do morro”. Elas gostam muito de transar Zeca, e com qualquer um que passe no pé do morro, qualquer um; eu já vi elas no mato e não vou nem dizer como porque quero esquecer.
Depois de ver aquilo dei razão pro meu marido, e mesmo ele me tratando um pouco melhor ainda não era o meu ideal, ele foi meu primeiro homem e eu esperava tanto dele, mas seus problemas sempre futucavam nosso lazer; fim de semana tinha um extra no serviço que era imperdível, mais seis horas longe de sua família, o que virou rotina depois de um tempo fazendo isso; pegou confiança e virou o ponta firme na firma que não faltava em nada.
Quanta decpção. Quando Rebeca fez um ano que desastrou tudo, ainda bem que tenho meus amigos lá do morro pra me dar assistência e fumar um né? Quem tem filho fuma também, não me julgue.
Eu acostumei não ter mais a presença dele em casa aos poucos, Rebeca sempre foi bem quieta e não me tomava muito tempo para o cuidado, mas isso porque amo essa menina e nunca me deixou nervosa. O fato é que comecei a me sentir bem sozinha, e carente sabe? Sem nenhum contato. Eu procurava Devaldo e ele nem aí pra mim, até que um dia aconteceu um troço inesperado Zeca, eu tinha mensagens de um crush do ônibus que queria porque queria me conhecer.
Não me julgue por falar o que vou falar. O nome dele era Jonas e disse que queria me conhecer, eu falei que pessoalmente não, mas a conversa foi rolando, eu disse da minha filha e ele me mostrou a dele, uma mulher já de dezesseis anos toda formada, o cara era “velho” e eu tinha vinte. Claro, não mencionei Devaldo pra ele.
Ele me dava toda a assistência que eu estava querendo, perguntava como foi meu dia, me ouvia, e a gente conversava sobre tudo Zeca, só achei uma coisa estranha. A primeira vez que ele me ligou achei super esquisito, sabe aqueles homens que tem a voz bem fina? Era a dele, mas chegava a parecer uma garota em certos momentos. Achei estranho mas foi só impressão.
Jonas não me faltava em nada, ele me fazia sentir como se fosse uma menininha de novo, ás vezes eu até esquecia que tinha um marido em casa Zeca, cheguei até a olhar pro Devaldo pensando nele, nas fotos que me mandava… sinto vergonha disso mas é a verdade. Mas também nunca fui tão fundo assim com ele, por mais que fosse gostoso eu não conhecia ele de fato e não ficava mandando fotos nem nada, mas me deixava num fogo que eu virava um rio.
Depois de uns quatro meses na conversa eu criei coragem e fui atrás dele, chamei para marcar um encontro e liguei né, ele esperava tanto por esse momento que o telefone quase não deu o primeiro toque. “Eu preciso te contar uma coisa antes da gente se ver”. O que era agora já que ele queria tanto? Esperei os trinta segundos mais longos da minha vida até que ele despejou tudo sem ensaio. Eu sou mulher.
Foram só três palavras, mas me deram uma rasteira literal, eu que estava em pé caí sentada no chão da cozinha Zeca, eu não podia acreditar. Fiz muitas perguntas e ela me respondeu todas com muita calma, apesar da minha revolta. Me disse que realmente pegava ônibus comigo e me achou linda, e depois de uma visita no face chamou um amigo dela, o Jonas. Ele fornecia tudo em tempo real, mas nos telefonemas e áudios era ela mesma.
Falei várias vezes pra ela que não gosto da mesma coisa que tenho no meio das pernas, não vejo graça Zeca. Ela ficou super triste, ainda mais quando teve que me passar o telefone do Jonas de verdade, queria pelo menos conhecer o cara que me apaixonei. Já faz um tempo que isso aconteceu e mesmo assim ainda lembro vez ou outra, me enganaram de uma esdruxula e me lembro exatamente como me senti.
Me lembrei de você e tudo que me dizia, tentei descrever o que sentia. Você já passou por isso; você passa uma noite inteira na rua, sozinho e com frio, e encontra um cantinho pra encostar e cochila por lá mesmo até o Sol começar despontar e tocar sua pele, te aquecendo aos poucos até brilhar bem forte e você voltar pra casa. Eu voltei para casa Zeca.
Deixei tudo isso de lado e pesquisei sobre aquilo que você me falava sempre, que a vida é efêmera e é importante viver bem; hoje entendo o que você me dizia. Fui nessa semana também no lugar que recebem os espíritos que você ia, me pediram para ter juízo olha só! Eu não discordei, até gostei da sensação que me trouxe.
Eu comecei a prestar mais atenção em casa depois do que aconteceu, e tive mais coragem para me abrir e falar com Devaldo, ás vezes eu só precisava estimular ele um pouco, e com o tempo ele foi me olhando de outra forma, viu que podia cofiar em mim como parceira; o stress do trabalho até diminuiu e o tempo dele lá também, começamos uma fase tão bonita Zeca. O espaço que ele preenchia com seus dedos agora tinha um toque mais sutil, e mesmo que o hábito ruim de olhar o telefone do outro tinha ido embora fazia um tempo me bateu uma curiosidade. Descobri que ele me traiu duas vezes com a mesma pessoa, ele transou com outra.
Não falamos disso nunca, ele não sabe que sei e eu não guardo rancor, ele se arrependeu nas mensagens com a garota e depois que as coisas melhoraram entre a gente me sinto muito mais feliz. Não vou dizer que o amo, mas me sinto apaixonada por ele cada dia mais, estamos nos descobrindo juntos Zeca. Não vou tomar mais o seu tempo, só queria dizer que o canto que você morava está muito bem iluminado agora.
Ontem o Pepeu me chamou pra fumar lá no escadão e disse que tinha uma surpresa, e que surpresa Zeca! Enquanto a gente fumava olhando pro Montanhão ele começou a iluminar todinho, foi ascendendo de baixo para cima, nunca vi ele tão bonito. O morro agora tem luz na rua.
Não me aguentei, olhei pra cima e comecei chorar quando vi que a Lua se encaixava bem na ponta do morro, parecia até que tinha sentado no campinho de terra; a árvore de natal mais bonita que montaram pra gente meu bem. Pepeu chorou comigo, dava pra ver os bracinhos balançando lá da ponta do morro de alegria.
Você faz falta Zeca, tiraram sua vida tão curta cara, mas como você mesmo diz, a vida é efêmera. Vou guardar sempre no meu coração a lembrança de cada momento e prometo abrir a mente de alguém com o que você me ensinou, e me ensina ainda. Vou queimar essa carta no pé do morro, quem sabe um dia quando você passar por lá veja todas essas palavras na poeira.
Te amo meu amigo.
submitted by CabacinhoBreaker to EscritoresBrasil [link] [comments]


2020.03.18 16:19 Mamahzinha Será que nunca vou me relacionar com alguém q conheço pessoalmente?

Não aguento mais entrar em Tinder, Happn, já conheci pessoas por lá, mas acho extremamente superficial. Já namorei uma pessoa q conheci no Tinder e depois disso nunca mais quis encontrar ngm q conheci lá. Começo a conversar e logo em seguida entendo pq a pessoa ta solteira, tem muita gente retardada, que acha q falar coisas clichês (e escrotas) vai te conquistar, pessoas psicopatas. Tava falando com um carinha q fez questão de me mostrar q tinha salvo minha foto para olhar toda hora, mais tosco impossível, nem conversamos direito e ele fica dizendo q eu faço bem pra ele kkkkkkkkkkkkkk o q não fazem pra tentar conquistar... Já conheci pessoas pessoalmente depois de conversar pela internet, mas praticamente todas foram decepcionantes, a unica excessão foi meu ex q no fim do relacionamento foi um fdp comigo.

Meu circulo social é pequeno, não saio pra festas, tenho um amigo q sai e vive me convidando, mas ele vai pra tomar porre e usar vários tipos de drogas e eu odeio isso. Então não tenho com quem sair, para conhecer pessoas me resta ficar nesses apps de pessoas carentes e doentes mentais. Dias atrás bloqueei um cara, falavámos há poucos dias e ele me mandou um vídeo que me deixou muito mal, era extremamente nojento, não tenho nem palavras para descrever, não pensei duas vezes e bloquiei, acho q falta massa encefálica pra essas pessoas. Como que manda um vídeo horriível pra uma pessoa q vc ta tentando conquistar? Ainda acha graça disso?
submitted by Mamahzinha to desabafos [link] [comments]


2019.09.10 01:32 BABYboi345 Oi pessoas com mais de 18

Bom eu fiz 18 a pouco tempo, como se isso importasse eu tenho responsabilidade de trabalhar desde dos 13 e me arrependo disso as vezes, eu tô tentando seguir um rumo, eu perdi namorada amigos e fiquei solitário, eu até tento ir pro lado da família mas eu não sou tão aceito graças ao "meu jeitinho homossexual" até me tratam normal mas eu sei que é forçado porque tenho depressão desde dos 12 e ninguém quer que eu me mate né, ou pelo menos ninguém quer achar que é o motivo, eu quero focar nas coisas reais da vida, eu perco muito o foco, uma hora tô lendo livros e outra fazendo fotos para por no facebook por pura vaidade, eu pretendo termina os estudos e fazer uns trabalhos com filmagens e seja la o que aparecer O problema é Minha mente não trabalha comigo, eu perco o foco as vezes simplesmente de tá ouvindo uma música e minhas ideias originais e solidas voam dando espaço a planos e pensamentos que eu sei que não vão se realizar e se realizarem não somarão nada na vida
Eu trabalho desde dos 13 mas sou apaixonado e quero cursa filosofia para dar aula, depois de ter tanto desejado a morte eu só quero uma vida que eu possar ajudar alguém isso me faz bem
Mas essa falta de foco e pessoas falando coisas bobas me enchem o saco As vezes também eu tô de boa ai lembro da minha ex ou dos roles que eu dava com meus amigos que hoje não gostam de mim literalmente já que minha ex fudeu com minhas amizades Eu acabo saindo sozinho e bebendo indo ao cinema e tal mas no final só resta o vazio e a confirmação da solidão "Na maioria das vezes faço isso na esperança de encontrar alguém que me tire disso saca "
Eu sei que tudo vai melhorar Mas a perca de foco no objetivo principal e esses devios só me levam a querer morrer e lamentar minha vida medíocre
Obrigado por ler amigo, toda dica é bem vinda
submitted by BABYboi345 to desabafos [link] [comments]


2019.07.22 03:17 TYagami Domadores de Almas - Destino, Espiritualidade e Apocalipse

Não acho que o nome tenha te trazido até aqui, mas se você não segue nenhuma religião, mas tem uma crença, e ainda por cima tem contato com espíritos, acho que já podemos começar nossa conversa.
Primeiramente, muito prazer.Eu nem sei o que eu estou fazendo aqui pra começo de conversa porque jamais me imaginei fazendo isso...
Caí aqui no Reddit meio que de paraquedas. No meio de uma conversa com um amigo meu, ele me disse para vir aqui e criar um post contanto minha história porque querendo ou não, tem mais pessoas envolvidas e muitas delas já sabem também que foram escolhidas para um "algo maior". Mas... Ao invés de enrolar mais, vou explicar do começo.

Meu primeiro contato com algum espirito foi aos 3 anos de idade. Eu me lembro de ter visto uma mulher de pele clara, cabelo comprido preto e usava uma roupa branca, parecia uma camisola. Uma criança normal se assustaria, já eu... Por algum motivo eu decidi falar com ela.
- Quem é você? - Perguntei.
- Um alguém. Só um alguém. - Respondeu. - Quer ser meu amigo? Sorriu a moça.
- Tá. - Respondi.
No momento em que eu respondi, ela sumiu e eu apaguei.
Alguns anos se passaram e nunca mais tinha visto aquela moça. Pra mim, aquilo tinha sido apenas um sonho. Engano meu.
Não entrarei em detalhes sobre a moça no momento para não deixar a história muito extensa e principalmente pra mim não perder o foco do post. E antes que perguntem, sim, ela ainda está comigo.
Eu sempre fui uma criança bem extrovertida, de uma imaginação muito fértil e sempre amei desenhar. Então, por conta da criatividade, as coisas que eu via/ouvia/sentia que eu não podia contar pra ninguém, eu decidi começar a escrever uma história: Domadores de Almas. Não, não são pessoas que controlam almas... Na verdade, são espíritos que são mandados para a Terra (o carnal) para encontrar pessoas capazes de receberem certos poderes/habilidades e também para que até esses espíritos ficassem mais fortes, conseguindo liberar até mesmo 100% de seu poder total. O porque desses espíritos terem vindo até nós? Um mal ia nascer a partir dos 7 pecados e esse mal irá destruir os dois lados, por isso eles receberam essa missão.
História legal, né? kk
Só que parecia que algo ou alguém não queria que eu escrevesse essa história porque sempre que eu ia escrever o capitulo 4, algo acontecia. Se fosse no caderno: A folha rasgava por conta da borracha, a ponta do lápis quebrava, a caneta estourava... Se fosse no computador: O word travava, o pc travava e até a força chegava a cair!
Ainda não "acreditou", né? Tá bom.
Com 19 anos me batizei na igreja evangélica. Pois é. Sou evangélico. Mesmo com tudo o que sempre aconteceu na minha vida, decidi seguir a Cristo rs e não me arrependo. A história? Bom, estava parada. Nunca dava pra continuar, então deixei ela de canto. Mentira. Eu pensava que era algum bloqueio meu e tentava de novo, mas ai era desde o começo e com isso as mudanças e alterações vieram, coisas que deixaram a história mais real e um pouco mais pesada também.
Toda pessoa quando cria ou faz algo tem a vontade de mostrar para a família, né? Desde os 12 anos quando eu comecei a escrever essa história eu sempre quis mostrar ela pra minha mãe e pra minha irmã mais velha. Meu pai nunca ligou muito. Sabem o que elas falavam? "Que era do demônio". Gente, como é do demônio se eu nunca li, vi, estudei ou até mesmo procurei sobre algo do tipo? Mesmo vendo e ouvindo coisas, eu tinha medo! Não gostava! Mas não quer dizer que eu procurava. ME DESCULPA SE QUANDO PASSAVA DRAGON BALL Z EU GRITAVA "SATAN, SATAN" NA SALA COM A MÃO PRA CIMA, MAS ACREDITA EM MIM, EU NUNCA PESQUISEI! E MR. SATAN É O NOME DO TIOZINHO ALI!!
Lembram? Me converti, entrei pra igreja e fui conversar com meus pastores sobre o assunto. Resumindo? Apaguei a história e queimei todos os meus desenhos referentes a minha história. Todos que de acordo com o espirito santo tinham que ser queimados/destruídos.
Eu, minha mãe, minha irmã mais velha e meus pastores descemos para uma rua aqui perto de casa que é calma e levamos os desenhos (todos que achamos), uns tapetes e uma mesa de plastico branca que íamos jogar fora. Aproveitamos pra queimar tudo junto. Peguei uma folha, molhei com álcool Zulu na ponta, peguei o esqueiro e acendi. Tava lá, a chama azul, toda bonitinha e o papel ainda branco. Branco. Não queimava. O papel não queimava. Ok, álcool de cozinha é fraco. Vamos na ponta seca. ... ... ... ... É... Acho que o problema não era o Zulu. O papel não quer pegar fogo mesmo. Parti pro tapete. Fui e pensei: "Pelo menos os fiapinhos vão pegar fogo...". Nem os fiapos do tapete pegavam fogo. A chama azul lá parada e nada acontecia. Ninguém tava acreditando. Meus pastores pegaram o carro deles e levaram tudo para o monte onde lá pegou fogo sem exitar.
Quase entrei em depressão depois disso. Eu não desenhava mais. Não escrevia mais. Nunca fui fã de copiar desenhos, sem gostei de criar os meus. Aí, num certo dia eu tive um sonho. Era muito real pra ter sido só um sonho. Eu estava num campo. Um lugar lindo. Um céu limpo com poucas nuvens, uma brisa gostosa. Do meu lado direito tinha uma montanha que por ela descia uma cachoeira e do lado esquerdo era só campo. Na minha frente tinha alguém, mas eu não conseguia ver seu rosto. Era como se o Sol estivesse atrás dele impedindo com que eu visse sua face. Ele usava uma roupa branca com uns detalhes amarelos ou eram dourados. Ele me olhou, esticou a mão em minha direção e disse:
- Vem. Vamos conversar.
Sua voz era calma. Forte, mas passava tranquilidade. Por algum motivo eu não conseguia falar e então ele continuou.
- Sabe... Tem muita coisa que gostaria de falar, mas a principal é... Sabe o porque de não conseguir escrever a história do capitulo 4 em diante? O porque de tudo isso acontecer? - Perguntou e esperou. - Porque do capitulo 4 em diante você envolveria pessoas reais. Seus amigos, os que você colocou como personagem, todos eles passariam pelo mesmo que você passa e poderia ainda acontecer coisa pior por conta da história deles. Compreende agora? - Apenas assenti que sim. - Agora sobre seus desenhos, você pode dar continuar com eles, mas com um porem. Vamos usar o ser humano como exemplo. Um homem comete vários crimes em sua vida, mas num certo ponto ele decide mudar. Ele decide ser diferente. Se arrependeu de tudo o que fez e agora segue uma vida ajudando as pessoas, fazendo a diferença. Entendeu onde eu quis chegar? Mesma pessoa, mas com atitudes diferentes. Seus personagens, ainda pode fazê-los, mas eles não podem voltar a ser quem eram. Tudo bem?
Antes que eu pudesse pensar em responder, fui acordado.
Depois disso voltei a desenhar e comecei uma história nova, mas uma coisa começou a acontecer e eu estava com medo de contar pra alguém e ser taxado de louco. mais ainda
No dia 3 de Fevereiro de 2018, no primeiro final de semana de Carnaval, foi onde "tudo começou".
3 amigos meus estavam comigo aqui em casa. Íamos pro bloquinho tanto no Sabado quanto no Domingo, mas alguma coisa tinha acontecido que não fomos no Sabado e íamos no domingo. Eu então recebi uma mensagem de um amigo meu me chamando para ir na casa dele comer pizza e beber alguma coisa, disse que estava com uns amigos, ele disse que não se importava e fomos todos. Nos dividimos em "2 grupos". Eu, Ele e um amigo meu fomos comprar bebida. A mulher dele, e os meus dois outros amigos ficaram lá com ela. Do nada, no meio da caminhada, entramos no assunto espiritualidade. Assim que chegamos na casa dele, ele me olhou e pediu pra perguntar sobre o que eles estavam conversando e em que parte eles estavam. Quando perguntei, sim, eles estavam na mesma parte que a gente, e foi ai que o assunto "bombou" e ficamos conversando sobre isso o resto da noite. No meio da conversa, ele me olha e diz:
- Tá, vamos lá. A sua moça tá aqui na minha direita dando em cima da minha entidade, né? - Perguntou ele.
- Como você? Como é que você sabe? - Perguntei.
- Ele... Isso não tem graça! - Respondeu minha moça toda sem jeito.
- Agora... - Ele então continuou. - Aquele ali é seu outro, não é? - Perguntou apontando para frente.
- Espera. Ela eu entendo você saber porque as vezes eu não resisto as piadas dela e olho pra ela sem graça, mas ele? Eu nem olhei pra ele e você sabia que ele tava ali? - Perguntei. Eu não estava acreditando.
- Do que ele tá falando? - Perguntou um amigo meu.
- E que moça? - Perguntou uma amiga minha.
Foi nessa noite que meus amigos souberam dos meus amigos. E foi nessa noite que eu descobri também que não eram amigos imaginários e que tudo o que eu tinha vivido, era 100% real.
Contei pra ele dos meus desenhos, da história e de como tudo acabou e ele ficou nervoso. Muito nervoso.
- Porque você fez isso? Apagar sua história e queimar seus desenhos? Pra que? Se tinha algo te atrapalhando era só falar comigo que eu eliminava esse ser.
- Então... Eu não fiz porque 1°: Pensei que fosse Disney minha e 2°: Não sabia de você e muito menos de mim.
- Tá, mas de verdade? Eu tenho certeza que você foi destinado a escrever essa história e sabe o que eu acho? Que depois que você apagou a história, você tá vendo todas as cenas acontecendo de verdade na sua frente. Do mesmo jeito que você tá me vendo agora, você vê as cenas. Tô mentindo? - Sorriu ele.
Ali meu mundo caiu. Lembram ali em cima quando disse que algo começou a acontecer depois que eu parei com a história? Então. Foi isso. E eu não tinha contado isso pra ninguém. E eu não conversava com esse meu amigo mais.
Depois dessa noite muita coisa na minha vida mudou. Eu precisei incorporar meus dois amigos porque esse meu outro amigo queria conhecê-los porque precisava saber se iam me fazer mal ou não. Ele queria falar com eles e esse teria sido o único meio ali já que eu já tinha dado abertura para os dois. Depois disso, além de ganhar alguns "dons" acabei ficando sem asma e meu problema de coluna.
2 meses depois enquanto voltava para o escritório depois do almoço, tem um galho abaixado, muito caído no meu caminho e uma das suas folhas ia me acertar se eu empurrasse ela ou me abaixasse. Eu bati na folha e com isso o galho levantou, mas voltou depois pro lugar que tava. De repente...
-Ai... - Ouvi uma voz infantil vindo de trás de mim.
- Acho que batemos em alguém. - Respondeu um dos meus amigos.
Quando eu olho para trás, atrás daquela folha tinha alguma coisa. Eu parei, olhei, vi duas mãozinhas segurando a folha, ele estava escondido.
- Cês tão vendo isso também? - Perguntei e eles disseram que sim.
Fui devagar até a folha e quando estava chegando, vi uma cabecinha me olhando e assim que percebe que eu a percebi ela volta pra trás da folha.
- Tem alguém ai...? - Perguntei.
- Por favor não me bate de novo, eu não fiz nada, eu só tava aqui na minha folhinha.
- Calma, eu não vou te bater e me desculpa, foi sem querer. Eu não sabia que você estava aqui.
- Ah, tudo bem então. Sua energia é boa. - Sorriu ele saindo de trás da folha. - Só a do seu amigo aí que me assusta. A energia dele é pesada. Me dá medo.
- QUE COISINHA FOFA! - Ouvi minha amiga gritando saindo de dentro de mim e indo pra cima dele apertando suas bochechas.
Vou cortar o dialogo...
Depois de conversarmos um pouco, acabei chegando na história. A reação dele não foi uma das melhores...
- O QUÊ? VOCÊ É UM DOS ESCOLHIDOS? - Gritou o pequeno. tem 19 centímetros ele.
- Escolhidos? Do que?
- Do Apocalipse. Um dos que vão ficar aqui pra batalha.
- Isso é real? Porque assim... Quando eu era pequeno que eu tinha lido apocalipse e pedia nas minhas orações pra estar na Terra ao lado de Deus e tudo mais, eu não esperava que fosse real ou que fosse dar certo.
- Não importa como foi! Eu quero ficar com você. Vou te proteger. Você me aceitando como parceiro ou não, vou te proteger. Passei muito tempo nessa arvore esperando um motivo pra sair dela e finalmente achei. Vou com vocês.
Só que... Parece que alguém mais ouviu nossa conversa...
No dia seguinte eu acordei com um grito de uma criança de madrugada.
- O que aconteceu? - Perguntei. Eu sabia que não era um sonho, porque quando sou acordado por eles é diferente.
- Nossa conversa ontem... Ouviram.
- Como assim "ouviram", pirralho. Desembucha. - Disse meu amigo rosnando.
- Calma. Me explica isso melhor.
- Eu não sei o que aconteceu, mas deveria ter alguém seguindo vocês já e agora o mundo inteiro já tá sabendo de você e que "você tá montando um exercito pro apocalipse".
- Exercito? Eu só queria escrever uma história...
- Desculpa, a culpa foi minha da gente ter conversado na rua e eu nem lembrei de fazer uma barreira também.
- Agora já foi. - Rosnou meu amigo.
No dia seguinte, no meu grupo do WhatsApp grupo do tinder rs. Entrou um rapaz do DDD 81 que depois que viu minha apresentação no grupo me chamou no privado e depois simplesmente saiu do grupo. Conversei com ele e tudo mais e depois perguntei o motivo dele ter saído.
- Já te encontrei. Não preciso de mais nada no grupo. - Respondeu o rapaz.
- Eu tô falando pra você que esse viado é do babado, mas você não me escuta... - Disse minha amiga.
- Own, que fofo. - Respondi.
- Fica tranquilo que daqui, que mesmo longe eu vou estar te protegendo. - Continuou.
- Aaaah, se eu ganhasse 1 macho a cada palpite certo meu... - Debochou minha amiga.
- Posso fazer uma pergunta? Qual sua religião? - Perguntei.
- Não tenho uma religião. Acredito em Deus, mas também acredito em outras coisas.
Quando ele disse isso... Alem de confirmar que minha amiga estava certa, também comprovou que era alguém "como eu", que tem amizades assim com espíritos e tudo mais. A gente continuou conversando, ele acabou conversando com ela, mas por um mal entendido, ele sumiu. Ela disse pra ele que "Tinha que passar por ela e pelo meu outro amiguinho pra me ter"... Foi triste. Mas seguimos. Mas não acabou por aqui. Estados Unidos, Canadá, Inglaterra, Portugal... Gente de vários lugares por algum motivo conseguiam meu numero, não sei como, a gente conversava e dava no mesmo. Não a parte da minha amiga falando aquilo, mas era todo mundo do "meio".
No meio do ano, em Junho de 2018 se não me engano recebi uma ameaça aqui em casa. Cercaram a minha casa e me mandaram um "aviso"
- Pode avisar para todos esses seus amigos "Domadores" que o "exercito" de vocês não chega aos pés do nosso.
Ele tinha entrado aqui em casa com outras entidades, ameaçaram de destruir meus amigos e me mandou mandar esse recado para os meus amigos que estavam nesse grupo do WhatsApp sobre o assunto.
Depois disso fomos atrás de ajuda. Eu nem sabia que dava pra atacar alguém espiritualmente, ou melhor, eu nem acreditava que pelo espiritual poderiam ser feitas tantas coisas... Eu era recém-nascido no assunto praticamente. Não tive treinamento nenhum.
Uma amiga então me disse que tinha um grupo perto da casa dela que eram do meio. Pedi para ela falar com eles dizendo que precisávamos de ajuda e fui ao encontro deles. A diferença entre nós dois? Meu grupo e o deles? O que nós conhecemos por "Apocalipse" eles conhecem por "Ragnarok". Eles estavam dispostos a nos ajudar e chegaram até a nos propor uma "aliança" entre nosso grupo e a alcateia deles, mas... Sabem minha "amiga"? Não sei se é ela que tem as visões ou se graças a ela eu consigo ter elas, mas vimos que parte deles estariam no outro time e... Eu me apego fácil as pessoas.
- Sabe que se a visão for real, alguns deles morreram pelas nossas mãos, não é? Melhor nos afastarmos sem nenhuma inimizade pra caso venhamos a nos encontrar na rua do que algo pior venha a acontecer. Sei que vai doer mais em você do que em mim. Ou melhor, em nós. - Disse meu amigo. o que rosna
Eu concordei. Ele estava certo.
Depois disso, um amigo meu que é do "meu grupo" me disse:
- Cara, porque não vai no Reddit, cria um post contando tudo e vê se consegue encontrar mais pessoas? Tá, é uma faca de dois gumes porque pode ser que apareçam pessoas querendo nos ajudar, mas também podem aparecer pessoas que vão querer nos matar a qualquer custo! O que nós, não só nós sabemos, mas todos sabem... O tempo está próximo mesmo. Não acho que essas coisas aconteceriam a toa. Acho que custa tentar. - Disse esse meu amigo.
- O que vocês acham? - Perguntei para os meus amigos.
- Não podemos sujar nossas mãos de sangue agora, mas se tentarem machucar você, não exitarei em incorporar para te proteger. - Rosnou meu amigo.
- E se forem para nos ajudar, os ajudaremos também! Com tudo o que pudermos. Se for um boy gato eu ajudo mais ainda hihi - Brincou minha amiga.
- Antes disso eu tenho que voltar a escrever a história. Só ai vou confirmar mesmo que eu aceito meu destino. - Disse.
- Infelizmente nós dois já aceitamos o nosso. - Sorriu minha amiga dando um tapa no braço do meu outro amigo.
- Domadores até o fim?
- Uma vez domadores, sempre domadores. Não importa o que aconteça. - Sorriram.
Depois que decidi que ia fazer a história e seguir com isso, tive outro sonho, naquele mesmo lugar, com aquele mesmo homem. Dessa vez eu estava em pé.
- Tem certeza de que vai seguir em frente com isso? - Perguntou ele.
- Sim. Tenho. Se eu fui destinado a escrever essa história, a estar mesmo nessa luta, mesmo que eu vá ficar com muito medo quando chegar a hora, eu vou em frente. Sem falar que... E se essa história tiver informações que possam ajudar algumas pessoas ou avisá-las sobre o que está por vir. Se acontecer algo com elas e eu não tiver avisado, vai doer bem mais em mim do que nelas, porque eu tinha a informação, mas quis guardar elas pra poupar umas 10, então... Não compensa.
- Então está certo. Que assim seja.
E ai acordei.


E é por isso eu tô aqui. Não sei se vai aparecer o horário no post com a data tudo certinho, mas agora são 22:20 de um Domingo, dia 21/07/2019 e tá dando pra sentir uma pressão muito forte vindo do lado de fora da minha casa. Eu não ia escrever esse post hoje, nem sei até quando eu ia continuar enrolando pra escrever isso, mas... Por algum motivo... Peguei meu celular pra jogar Grand Chase e o Reddit abriu. Se eu entendi? Não entendi. E como eu sei que a vida dá dessas, então eu pensei: Porque não? Deve ser a hora.
Ps: Não adianta me chamar de louco, sei que sou. kk
Ps 2: Não vou revesar o post como eu sempre faço com qualquer texto meu que eu reviso sempre umas 3 vezes. Então, escrevi, postei. kk
submitted by TYagami to u/TYagami [link] [comments]


2019.05.06 10:17 The-Old-Onee Meu primeiro relacionamento

A história do meu primeiro relacionamento foi algo que me marcou por um bom tempo. Até hoje, talvez.
Essa história pode não interessar muitas pessoas, mas aos que se interessarem, sejam bem vindos.
Tudo começou aos 6 anos de idade. Por isso, não esperem bastante maturidade vinda de mim. Na época em questão, eu havia acabado de me mudar com a minha família, e tinha entrado em uma escola pública. Foi nessa escola que encontrei a garota que viria a gostar.
Eu sempre vi muitas garotas bonitas em minha vida, mas nunca prestei muita atenção nelas, entretanto, algo me chamou atenção nessa garota. A propósito, pensei que poderia ser a sua beleza, mas isso não faria sentido por conta do fato anterior.
Sem nem mesmo conhecer um pingo de sua personalidade, eu acabei tendo a segunda paixão da minha vida, mais forte que a primeira.
Primeiramente, devo admitir que eu ficava muito sem jeito perto dela. Por isso, me impressionei comigo mesmo sobre como consegui pedir o seu telefone. As conversas eram inocentes, foçadas no meu herói de infância: Sonic.
Por favor, não ria.
Tive a sorte de descobrir que ela também era fã do Sonic, e isso unia as nossas conversas. Sem contar as minhas piadas sem-graça que sempre arrancavam um riso dela.
Depois de um tempo, as conversas terminaram. Não pude ligar para ela por um tempo, e logo perdi o seu número de telefone. Tímido, com vergonha de pedir novamente seu numero, aquela foi a última vez que eu conversei com ela no Ensino Fundamental.
Da segunda até a quarta série, eu estive gostando dela. Observando-a de canto, escrevendo seu nome em minhas coisas, imaginando um futuro promissor, até mesmo sendo motivado a ir para a escola simplesmente para ver o seu rosto. Uma criança apaixonada.
E com um óbvio mas bem escondido ciúmes quando rumores (falsos, no caso) de que ela namorava com o garoto mais inteligente da sala, começaram a surgir.
Eu, parabenizei ela por isso, mas amaldiçoei o garoto milhares de vezes, por dentro.
É uma das últimas vezes que lembro de ter dito algo para ela.
Quando passei para a quinta série, a escola escolheu uma nova escola da qual frequentaríamos, pois não tinha recursos para ter uma quinta série e além.
Fomos para a mesma escola.
Mas nada mudou, ficamos em salas diferentes. Nenhum dos meus amigos estavam ali, e para piorar, pelo meu jeito, passei a sofrer ofensas por outros colegas, das quais nunca me fizeram bem.
Ali, minha autoestima desmoronou completamente.
Eu sempre via ela algumas vezes, andando pelo pátio com os amigos, e talvez uma coisa que nunca cessou, foi minha paixão por ela.
Me lembro de um dia estar num evento de Festa Junina na escola. Cheguei cedo com a minha mãe, sentei em um banco no meio da praça, e ela sentou um pouco à frente. Queria falar com ela, mas nunca soube como começar.
Quando notei, ela se juntou com seus amigos, a conversa nunca aconteceu. Mas teria mudado algo afinal?
No meio daquele ano, eu me mudei mais uma vez. Dessa vez, fui para longe. Agradeci, nunca mais iria ver os retardados dos meus colegas, e como minhas notas eram baixas, não tinha o que perder.
Um dia, então, bem longe dela, passei a usar o Facebook. E por coincidência, encontrei o Facebook dela. Adicionei, e foi ali que a magia passou à acontecer.
Inicialmente, não me lembro de como ocorreu a primeira conversa, mas devo ter me apresentado, para ver se ela se lembraria de mim. Uma coisa que memorizo, entretanto, eram as sensações estranhas na minha barriga.
Eu devia ter o que? 9 ou 10 anos?
Fomos conversando, até chegar o dia da qual disse para ela como me sentia. Praticamente, disse que gostava dela. Nosso relacionamento nunca piorou, mas também não melhorou.
(Ps: uma das coisas que devo ressaltar, é que eu basicamente tinha medo da forma que ela reagiria. Por isso, nunca me declarei pessoalmente. Maldita covardia!)
Eu tentava sempre agir como um bom amigo. Tentava dar conselhos - me colocando no lugar dela - sempre tentava diverti-lá, no caso, sempre tentando encontrar um jeito de conquistar ela, até o dia que ela também passasse a gostar de mim.
Eu tentei ser o cara perfeito. Se eu consegui? Eu não faço a mínima ideia.
O tempo passou, e ela passou a ficar com outras pessoas. Quando ela ficava mal, eu sempre tentava animar ela. O ciúmes não era algo tão presente, pois no caso, eu só ficava interessado no bem-estar dela. Seus namorados eram um detalhe que eu procurava esquecer.
Enfim, um dia, o meu ciúmes me levou à entrar em discussão com um de seus amigos íntimos. Com esforço, eu consegui quebrar o relacionamento deles (isso soou tão mal).
A propósito, no início, ela falou que não terminaria com ele. Por isso, me senti inútil, e me afastei por um tempo. Bem decepcionado.
Quando voltei, ela havia me agradecido por ter ajudado a tirar o cara da vida dela. Nunca soube o porque, ela nunca me disse.
Enfim, nos reaproximamos, é nosso relacionamento evoluiu um pouco. Não tanto quanto eu gostaria.
Então, eu cometi um erro. Um grande, enorme, e fodido erro.
Basicamente, minha pessoa se cansou de ser o amigo consolador, e passou a ser mais impaciente com a situação. Então.. eu, com o meu jeito covarde de ser, chamei a própria pessoa que eu gostava, de oferecida.
O pior, foi em um post público. Com a clara intenção de humilhar.
Entramos obviamente em discussão, uma briga que nos afastou por um ano inteiro. Talvez, o melhor teria sido apenas conversar com ela e dizer o que sentia. Mas fui imaturo e inconsequente (sei que é praticamente a mesma coisa).
Depois que um ano se passou, eu tentei me reaproximar. Mas como dizem, um relacionamento é como uma folha de papel. As brigas amassam esse papel, e independente do que faça, ele nunca retornara ao que era antes.
Ela estava brava, brava com alguns amigos também, e eu acabei chegando nela situação. Basicamente, eu apenas tentei me desculpar.
Não me lembro, a propósito, se eu consegui. Mas depois de um tempo, acabei me afastando novamente.
Quando ganhei o meu primeiro celular, eu instalei o WhatsApp, e como não tinha muitos Contatos, pensei em adicionar algumas pessoas.
Eu já tinha ela como amiga, então pensei, porque não?
Aqui chegamos no terceiro e último arco dessa historia.
Pedi o seu número, e foi incrível como nossa relação prosseguiu x 0. Eu continuava sendo o mesmo amigo consolador, mas dessa vez, ainda mais apaixonado.
Consolei, ajudei, aconselhei, fiz tudo para ver ela feliz. Por mais que eu fosse um idiota completo, ainda tinha a felicidade dela como prioridade. Mesmo após anos.
Algo que devo citar, è ela dizer que na verdade sempre me amou, e na ocasião, namorou com outros caras simplesmente para me esquecer.
Eu não acho que precise afirmar que sempre estranhei aquela história, certo? Afinal, anos atrás, a mesma me trocou por outro cara.
Voltando ao assunto..
Foi então, que tendo ainda mais impaciência, eu falei o que queria falar há bastante tempo.
Por favor, porra, fica comigo?
(Ps: sim, foi virtual) (Ps2: não foi com essas palavras, obviamente) (Ps3: essa não è a sigla para PlayStation 3)
Ela aceitou, ótimo, não?
Os primeiros dias sendo seu namorado, mesmo que virtual, foram realmente maravilhosos. Acordar, e receber um bom-dia da pessoa que ama. Áudios, dizendo coisas carinhosas.. cada ação que te conquistava...
Os seis anos correndo atrás daquela garota valeram a pena naquele momento.
Obviamente, meu ciúmes aumentou. Quando ela falou que seu ex havia pedido uma foto dela para colocar como uma capa no perfil, eu não aguentei. Simplesmente dei um xilique.
O ciúmes realmente não è uma coisa saudável em situação alguma. Que sensação terrível..
Um mês depois, eu cometi outro grande erro.
Em um resumo, estávamos fazendo ciúmes um para o outro. Acontece que eu foi bem mais pesado, e não respondi ela por um tempo (1 hora).
Eu havia dito que estaria com outra garota, achei que a situação terminaria bem naquela noite. Vacilo meu.
Ela ficou completamente com ciúmes, não sei como a conversa seguiu, mas terminou com o fim do meu relacionamento com ela, e lágrimas silenciosas na noite.
Eu mesmo, terminei o relacionamento que demorei anos para construir.
Apesar de que o motivo do término foi outro. Basicamente, ela ainda gostava do ex, e eu, sabendo que não conseguiria dar para ela o que ela queria, libertei ela de mim.
Pode ter sido uma atitude meio corna. Mas sério? Eu nem sabia da existência dessa palavra.
Eu voltei a ser o amigo consolador. Mas agora, meu amor por ela começou a esfriar bem depressa.
Eu passei a evitar suas mensagens, responder apenas dias depois, fui me afastando sem notar.
Nesse tempo eu comecei a ficar mais quieto pessoalmente, motivos? Leia mais a frente.
Um dia, dando mais uma chance ao amor, eu tentei reatar com ela. Mas as palavras que me atingiram foram pior do que qualquer merda que eu possa imaginar.
“Eu te considero como um irmão”
Tipo... è sério isso?
Sim, è.
Como se eu sentisse que um buraco negro tivesse surgido no meu peito, um desespero tão grande, a sensação de rir de descrença enquanto chorava.
Era assim que as garotas dispensavam os caras agora?
Um simples não seria menos doloroso do que aquela resposta.
Eu sei que sou um completo babaca, fiz muita merda. Mas aquilo nunca tirou o meu direito de se sentir triste.
O resultado? Eu me afastei completamente dela.
O fim do meu relacionamento me trouxe uma resposta interessante: nada è como você pensa que vai ser.
Talvez, se essa história fosse um simulador de namoro, eu com certeza estaria vivendo o final ruim.
Se eu tivesse tido mais coragem no passado, e me declarado, talvez as coisas teriam sido diferente.
Quem sabe eu estivesse feliz hoje.
O foda disso tudo, foram os problemas familiares que por baixo sempre foderam com a minha mente.
Brigas o tempo todo, ameaça de divórcio, o xingamento pelos colegas, até mesmo ser traído pelo seu melhor amigo, essas coisas fodem com a cabeça de uma criança que nunca teve tantas dificuldades na vida.
(Apenas para avisar, éramos da classe baixa, graças ao meu pai, e ao meu bom Deus, conseguimos ir para a classe média. Mas desde lá de baixo eu já não sofria muito com isso)
Enfim, passaram-se os anos, ela começou a gostar de outras pessoas, e eu de outra pessoa. Um dia, entretanto, quando fui excluir meu facebook, eu encontrei nossas antigas conversas, que me acenderam uma pergunta:
Será que a culpa era minha?
De certa forma, sim. Minhas escolhas nos trouxe até aqui.
Por um bom tempo, eu vivi com aquilo na mente, até tomar coragem para enfim pedir desculpas.
Eu senti que precisava fazer aquilo para conseguir continuar vivendo em paz comigo mesmo.
Após anos, eu conversei com ela novamente. As respostas foram frias, diretas e mais cortantes do que Trimontina, mas eu aguentei.
A minha última conversa com ela, foi pedindo desculpa pelos meus erros. Se ela aceitou? Eu não sei.
Mas eu tentei. Mesmo que isso não viesse me trazer absolutamente nada de bom.
E esse è o final da minha história, sobre o final do meu primeiro relacionamento.
Aprendi com meus erros? Talvez, mas continuou um grande idiota que se esforça em aprender com as próprias merdas.
Mas agora digo isso para você, que está com vergonha de se declarar para seu amor secreto: simplesmente faça isso.
Se declarar pode ser algo difícil, pois você estará literalmente abrindo o seu coração sem a certeza de que será correspondido.
E quem saiba, esteja apenas se preocupando atoa, e tenha sim grandes chances,
Mas vai por mim.
Às vezes, è muito melhor receber um “não”, do que viver um futuro estruturado pela sua falta de coragem em dizer o que sente.
A vida è curta, mas o arrependimento è eterno. Por isso, apenas faça. Vá em frente, e se o garoto ou a garota apenas recusarem, não fique para baixo.
O mundo è feito de pessoas maravilhosas que podem te trazer a lua se você quiser. Basta você ter esperanças e nunca desistir do amor.
Enfim, aqui me despeço, e mais uma vez:
Não queiram viver o final ruim desse simulador de namoro que è a vida amorosa. Vá em frente, e corra atrás do que você quer.
Porque no final, aqueles que não desistem, sempre triunfam.
submitted by The-Old-Onee to desabafos [link] [comments]


2019.02.04 14:41 seobusca01 SEO Agency Post

Como Fazer SEO para o Google em 2019

Então você já está bem cansado de sempre encontrar as mesmas técnicas de SEO na web?
Mas você realmente sabe o que é SEO?
Imagino. Isso por que os grandes nomes de SEO sempre repetem sempre as mesmas coisas.
E pior que isso. O que essas grandes agências ensinam não é nem 15% da receita do bolo. Existem muito mais fatores técnicos do que criar bom conteúdo, colocar keyword no TITLE e blá blá blá.
Já está na hora de alguém criar um conteúdo que realmente ajude você a ver seu site se mexer nos resultados de pesquisa do Google.
E foi pensando em você que criamos esse guia para fazer Google SEO para você começar a aplicar agora mesmo!
São dicas de SEO mais lógicas do que práticas.
Mais de 90% dos tutoriais que tentam ensinar alguma coisa para fazer SEO no Google são extremamente técnicos.
E na grande maioria das vezes dizem que se você não tiver o mínimo de conhecimento em HMTL ou programação será impossível você otimizar seu site sozinho.
Tudo uma grande mentira viu? Você pode sim otimizar seu site sem pagar nenhuma agência de seo e sem ter nenhum conhecimento técnico em Google SEO.
A real verdade é que essas agências criam esses conteúdos complicados justamente para você começar a fazer e depois não conseguir mais.
Ai você é obrigado a entrar em contato e contratar o serviço dessa empresa para fazer o Google SEO no seu site e assim aparecer nas buscas do Google.
Sem mais delongas. Aqui você vai aprender em dicas simples e praticas não somente otimizar seu site.
Vai também aprender a pensar do por que você está otimizando.
Qual será o real impacto dessa alteração no ranking do Google.
E não ficar otimizando ALT de imagens, mudando TITLE, adicionando META TAGS aqui e lá sem nem entender o propósito dessas alterações.

Sinais do Usuário : RankBrain Google Update

Não sei se você já sabe, mas essa atualização do Google é a prova que não temos mais como enganar o robô de busca.
O RankBrain, foi uma atualização lançada para ninguém nunca mais tentar enganar o Google tentando burlar algum tipo de Black Hat SEO.
Essa atualização basicamente é uma máquina que aprende como os usuários interagem com os resultados de busca.
Por exemplo, o usuário clica no seu site na primeira página de resultados do Google.
Mas não fica nem dez segundos no seu site.
O motivo que esse usuário saiu do seu site rápido pode ser variado, mas passa ao Google a informação que seu site não é bom para aquela busca.
Quando o usuário não gosta do seu site ele volta para a página de resultados da pesquisa e clica no terceiro site.
Quando ele clica no terceiro site ele fica no site por mais de dez minutos.
Esse tipo de situação informa ao Google RankBrain que seu site é ruim e o outro site é bom.
Isso por que no seu site o usuário não permaneceu nem dez segundos. Já no outro site ele ficou dez minutos.
Vendo isso o Google vai jogar seu site para baixo na primeira página e subir o outro site para as primeiras posições.
Esse tipo de comportamento se chama Dwell Time.
Em resumo, quanto maior for o tempo de permanência de usuários em um determinado site para um determinada busca maior será o ranking desse site.
Isso acontece por que o Google entende que se o cada vez mais usuários estão clicando e permanecendo mais tempo no site quer dizer que esse site tem um excelente conteúdo.
Dessa forma merece estar nas primeiras posições no Google.

RankBrain e SEO no Google

Bom, agora vamos voltar ao modo como você ainda faz SEO para o Google.
Você não está nem um pouco preocupado em ter qualidade no seu conteúdo, certo?
Você quer e vai fazer o que todo tutorial de SEO ensina.
Que colocar diversas palavras-chaves no título, no H1, lotar seu conteúdo com sinônimos sem sentido só com a única e fiel intenção de tentar enganar o robô de busca do Google.
Até aqui está ok.
Você criou um conteúdo cheio de palavras-chaves e fez muito bem o SEO na sua página para ganhar posicionamento no Google.
Vamos supor que seu site chegue à primeira página em algumas semanas.
Mas não se esqueça de que você não criou um conteúdo para impressionar seu usuário e sim para enganar o Google.
Só tem um problema na sua estratégia meu amigo. O RankBrain Dwell Time.
Você acha mesmo que seu site vai permanecer na primeira página do Google?
Não, não vai.
Seu site pode até ficar algumas semanas, mas conforme os usuários forem acessar e sair rapidamente o Google vai notar e automaticamente vai jogar seu site para baixo no ranking de busca.
Só para você ter uma ideia o tempo médio para um site permanecer na primeira página do Google é de 3 minutos e 10 segundos se seu conteúdo for texto.
Se sua página também tiver infográficos e vídeos esse tempo pode aumentar.

Mas Como Faço Para o Usuário Ficar no Meu Site?

Primeira coisa meu amigo.
Pare de aplicar todas as técnicas de SEO Google que você aprendeu até agora.
Esqueça tudo que você sabe sobre SEO e otimização de sites.
Quer ter visibilidade e aumento de tráfego nos resultados de pesquisa?
Crie conteúdo ÚTIL, de QUALIDADE, ÚNICO e capriche na sua página.
Escreva de forma dinâmica.
Realmente conversando com seu usuário e não empurrando informações repetidas goela abaixo.
Coloque imagens e vídeos no decorrer do seu conteúdo.
Se tiver preguiça ou não souber criar uma imagem bacana compre uma em algum site online.
Existem vários sites que vendem imagens com direitos autorais.
Ou você também pode contratar um web designer para criar essas imagens para você.
Na parte de colocar vídeos você não precisa criar um vídeo único feito por você.
Pesquise no You Tube algum vídeo que explique alguma parte do seu conteúdo e incorpore na sua página.
Entenda que seu conteúdo deve ser único sim, mas nada impede você de referenciar outros sites ou vídeos se forem bons também.
E mais que isso, principalmente se esses vídeos aumentarem a qualidade do seu conteúdo.
Se você pensar, um vídeo simples que você colocou na sua página tem 5 minutos.
Imagine cada usuário que acessar sua página veja esse vídeo inteiro.
Você já ganhou cinco minutos que você conseguiu prender o usuário na sua página.
Voltando a imagens. Crie infográficos online se você não quiser gastar com Web Designer.
Tem muitos sites que criam infográficos de graça.

Torne seu Site Rápido, Mas Rápido Mesmo!

Entenda uma coisa bem simples, para SEO para o Google você ter pelo menos dois pilares em mente.
O Google tem duas principais exigências para um site subir nas buscas.
A primeira dela é a velocidade do seu site.
Se seu site for lento esqueça que você nunca vai chegar a lugar nenhum.
Para fazer o SEO no seu site e deixá-lo mais rápido é bem provável que você irá precisar de um programador.
Isso por que você vai precisar mexer no código fonte do site e remover coisas inúteis que atrasa o carregamento.
Coisa tipo Java script de efeitos desnecessários, CSS que está na sua folha de estilos mas não é utilizado, dessa forma somente gasta cachê do usuário.
Enfim use a ferramenta do Google Page Speed para ver o que você mudar para acelerar.
Algumas coisas você mesmo poderá mudar, mas outras coisas mais técnicas recomendamos contratar um especialista ou alguma agência de SEO.

Torne seu site Responsivo

Uma recente previsão do Google informou que até 2020 mais 80% dos acessos a internet serão feitos somente por celulares ou tablets.
Será que precisamos dizer mais alguma coisa?
Se seu site não for RÁPIDO e RESPONSIVO pode esquecer-se de um dia aparecer na primeira página da busca do Google.
É serio. Sem esses dois pilares é impossível.

O Santo Graal de SEO para o Google

Agora vamos ter uma conversa bem séria.
Se você quer realmente ganhar visibilidade, ganhar muitas vendas e conversões no Google você precisa parar de pensar somente em posicionamento de grandes palavras-chaves.
O que é mais importante, estar na primeira página para uma palavra-chave de enorme concorrência, pagando horrores de dinheiro para agências de SEO, ou estar na primeira página para um termo de baixa concorrência mas que gere conversões para seu site?
Muitas pessoas que contratam o serviços de SEO somente focam nas palavras-chaves principais e de enorme concorrência.
E tem outro agravante também.
Muitas vezes essa palavra-chave não vai gerar conversões para o site e somente vai gerar acessos.
Do que adianta ter mais de 1000 visitantes no seu site todos os dias e ter três vendas por dia?
Entendam que palavras-chaves de alta concorrência só geram tráfego!
Não geram vendas e muito menos conversões.
Entendam uma coisa, quanto mais especifica sua keyword mais difícil vai ser a concorrência para ela.
E quanto mais difícil for a concorrência mais tempo vai demorar para você chegar na primeira página do Google.

Keywords de Média e Baixa Concorrência

Esse é o verdadeiro Santo Graal para fazer Google SEO!
Você sabia que se criar um conteúdo bem otimizado para uma palavra-chave de médio-baixa concorrência seu site pode chegar à primeira página em menos de três dias?
Isso mesmo que você leu! Menos de três dias!
E seu conteúdo nem precisa ser tão espetacular assim para chegar lá.
A dica aqui é simples e rápida.
Vá até o Planeador de Palavras-chaves do Google e pesquise sua palavra-chave principal.
Na lista procure palavras-chaves que te interessam com média e baixa concorrência
Use essas palavras de média e baixa concorrência para gerar conteúdo para o seu site.
Pare de uma vez de ficar focado em somente em palavras-chaves de alta concorrência..
Veja nesse link a importância do SEO nos dias de hoje
submitted by seobusca01 to u/seobusca01 [link] [comments]


2018.08.25 14:07 Superus Legalidades quanto a fechar uma empresa por insolvência e abrir outra a seguir.

TL;DR Já no inicio que vem aí uma parede de texto: A patroa da minha mãe vai fechar a empresa por insolvência e segundo lhe disse vai abrir outra a seguir (e vai falar com elas para fazer um novo contrato). É legal?
Ora bem, hora de história.
A minha mãe trabalha naquela empresa desde os 16 anos, já lá vão uns 30s e muitos. De há uns anos para cá as coisas não tem estado bem, chegando ao ponto de obrigarem as mais seniores a aceitar uma redução de salário temporário. Elas aceitaram pois não queriam ser despedidas (Segundo a história que me contou, a advogada da patroa ameaçou a "aparecerem do ar" processos disciplinares caso elas não aceitassem e assinassem. Ela falou com o nosso advogado que é amigo de família, ele disse que era ilegal, mas que não havia nada a fazer sem provas) Depois disso as coisas foram sempre piorando, desde salários em atraso, a ameaças de não pagar subsidio de natal porque elas não estavam a vender o suficiente (nota isto é uma loja de rua, não é que elas possam ir chamar clientes para entrar) ao que a idiota da advogada ao menos teve o bom senso de dizer que era ilegal. (fun fact: nesse mesmo natal ela foi para o Dubai com o marido, 2 filhos (e genros) e 4 netos. Para quem já viu viagens e estadias em hotéis sabes o porquê desta revolta).
Há umas semanas a patroa foi falar com elas a dizer que a empresa ia fechar por insolvência e que ela tinha intenções de abrir outra. Desta vez já falou super mansa, agradeceu imenso e disse que iam receber uma carta em casa para depois comparecer junto a um gestor que ia dividir (Penso ter sido essa a palavra) os valores por todas, a patroa de certeza que tem a intenção de abrir outra loja e se for para as contratar vai ser com alta redução dos salários.
A minha mãe obviamente ficou em pânico pois não pode perder o emprego, falou com as outras seniores e o consenso é que vão esperar para ver o que aí vem. Com isto continuam a trabalhar (pelo menos até não receberem ou lhes apresentarem uma carta de despedimento).
Ela veio falar comigo, eu ofereci um quarto extra que tenho, pelo menos temporariamente até ela poder pedir a reforma (não é a situação ideal pois vivo com a minha namorada mas o ue for preciso fazer para ela não passar mal faço), tentamos arranjar algo para ela fazer, nem que seja ir fazer limpezas, ela está disposta. No entanto isto tem que ter alguns ganhos pois ela está a acabar de pagar a casa, tem muita medicação (depressão e problemas de costas) e ainda tem de pagar parte do lar e medicação da minha avó. A minha mãe não tem grande escolaridade, sempre dedicou a vida ao trabalho e nunca trabalhou noutro sitio a não ser em casa a fazer a lidas domésticas, por um lado isto acontecer é bom pois acho que grande parte dos problemas de saúde são causados graças aquele trabalho. O norma é fazer 10 horas por dia, 6 dias por semana, e em Dezembro desde que era miúdo que me lembro dela fazer desde dia 1 a 24 sem folga nenhuma.
Obviamente vamos meter o nosso advogado ao barulho mas como ele está de férias fica junto ao plano do esperar para ver o que aí vem.
O meu post aqui serve mais para perceber se a patroa pode legalmente abrir outra empresa (do mesmo negócio) após fechar esta por insolvência, e até que ponto elas podem vir a não receber um tusto caso ela saiba o que está a fazer (esconder bens e dinheiros). Segundo o que percebi ela ainda pode receber subsidio de desemprego, mas não é o suficiente, e encontrar um sitio que pague o que ela está a receber agora com a idade que tem e falta de escolaridade é roçar o impossível.
Opiniões e experiências similares são bem vindas para eu ter a noção do que esperar.
Obrigado por lerem.
submitted by Superus to portugal [link] [comments]


2018.02.16 01:56 antoniobrasileiro Sem direção...Fui traído.

Senta que la vai textão: Faz 10 anos que estou casado com minha esposa. Temos um filho de 10, namoramos pouco tempo, ela ainda era virgem, e eu já tinha vivido outros relacionamentos, (temos uma diferença de 7 anos). Quando descobrimos que ela estava gestante resolvi que casaríamos, confesso que logo no início eu apenas gostava dela, mas sabia que ela era uma pessoa boa de coração, eu já estava cansado de badalação, queria encontrar alguém pra compartilhar uma vida. Então conversamos, disse que estava disposto a casar com ela, e ela aceitou. No início foi muito difícil a convivência, pois sou um cara que gosta das coisas certas, às vezes até demais. Ela cresceu vendo sua mãe ser auto suficiente, de maneira que quando pedia pra fazer algo diferente, de outra maneira, ela achava que eu queria mandar nela, botar ordem. Nunca foi minha intenção, eu apenas queria orientá-la para que as coisas não dessem errado. A família dela é bem humilde, isso nunca foi problema pra mim, porém ela acha que minha mãe não queria que casasse com ela, acha que minha mãe sempre fala algo pra tentar machucá-la, e sinceramente tenho certeza que não é isso. Mas enfim, a questão é que vira e mexe acabamos tendo brigas por conta disso, e o mais engraçado é que a briga é por causa da minha família, que ela começa por conta desses achismos, às vezes porque acha que a madrinha do nosso filho (minha irmã) está mimando demais ele, dando muito presente fazendo as vontades. Graças a Deus as brigas que eram por nós mesmos diminuíram bastante. Eu nunca a proibi de nada, mesmo! Eu sempre a deixei fazer e comprar oque ela queria . Temos uma vida confortável, meu trabalho apesar de ser necessário que esteja constantemente viajando remunera bem, com isso ela nunca precisou trabalhar. Mas ela não é dondoca, de só ficar em casa sem fazer nada, ela me ajuda muito cuidando da casa, e agora tomando conta do negócio que montamos (guardando dinheiro) quando estou fora. Depois que nosso filho fez dois anos ela quis fazer faculdade de educação física, eu dei o maior apoio pra ela. Lá no fundo eu sabia que a desgraça viria deste curso, eu nunca disse isso a ela. Enquanto ela estava fazendo o curso eu nunca desconfiei de nada, com exceção de uma vez que ela disse que ia pra faculdade, aconteceu um imprevisto e tive que ir lá pegar ela. O campus da faculdade é bem grande, eu sabia quais eram as salas que ela tinha aula, mesmo assim eu não a encontrei. Liguei várias vezes o telefone só chamou, quando eu já estava voltando pra casa, ela me ligou, disse que estava na parada de ônibus próximo. Perguntei onde ela estava, ela disse que estava no laboratório, e eu realmente não tinha ido lá, já que não sabia onde ficava. Em 2015 sofri muita pressão no meu trabalho, pois minha empresa estava prestes a perder um importante contrato, e além disso tinha conseguido uma vaga muito difícil em curso que me possibilitaria ascender em minha carreira. Como a instabilidade na minha empresa estava crescendo, isso significava que teria que arcar com todas as despesas sem trabalhar durante 6 meses. Pra completar o cenário, a crise veio com força, e começou a surgir histórias de que o curso seria cancelado. Fiquei uma pilha de nervos, pois ficaria desempregado, não faria o curso e sem perspectiva nenhuma de emprego, pois na função que estava não apareciam vagas. Confesso que nem eu estava me suportando às vezes, eu transferi um pouco dessa pressão pra ela. No final de 2015 fui demitido, e no início de 2016 saiu a resposta que eu mais esperava, o curso seria realizado! Fiquei um pouco aliviado, mas a crise se aprofundou na minha área, e as vagas que apareciam para posições superiores também minguaram. O curso seria realizado em uma cidade onde conheci minha primeira namorada, porém, ela já não vivia mais lá, morava em uma cidade no mesmo estado porém a várias horas de distância. Além disso já não gostava dela há muito tempo, eu estava casado e minha ex namorando. Nessa cidade ainda moram muitos amigos meus de faculdade, que não os via fazia tanto tempo. Foi natural que eles me convidassem pra ir assar uma carne e tomar cerveja, sair pra um barzinho, e ir uma vez em um show. De uma vez que sai com meus amigos, passei bastante tempo com eles, meu telefone descarregou. No outro dia ela me ligou dizendo que eu tinha ido me encontrar com a ex. Durante o curso todo ela achou que eu estava fazendo coisa errada...Sinceramente depois do que descobri, queria ter feito. A verdade é que depois que casei com ela, nunca estive com outra mulher, nem mesmo beijei outra mulher. Acho que ela não acredita nisso… Durante o tempo que estava realizando o curso apareceu a oportunidade de montarmos o negócio que estamos tocando. Não tinha como eu tocar a obra de outra cidade, então ela ficou encarregada disso, com meu auxílio pelo telefone. Tivemos muitas brigas por causa das obras, porque muitas vezes ela queria fazer do jeito que ela achava, e muitas vezes errado, sendo que eu explicava tudo pra ela como deveria ser feito pra não ter desperdícios, pra não estourar nosso orçamento e nem atrasar as obras. No final das contas inauguramos nosso empreendimento, e está indo muito bem obrigado. Sempre foi meu sonho poder um dia largar meu trabalho e poder trabalhar perto dela e do meu filho, ter uma vida estável sem precisar me ausentar. A empresa inaugurou em outubro de 2016, atrasou um pouco, mas sem maiores consequências. Nesse meio tempo o curso já havia terminado, e eu estava empregado novamente na posição que o curso me proporcionou. Gente, vocês não têm noção de como eu fiquei mais leve, relaxado, aquele peso todo que sentia estava finalmente saindo das minhas costas. Algumas brigas ainda existem por conta do negócio, mas normal, nada sério, nessa parte sabemos que os assuntos do negócio têm que permanecer lá depois que fechamos as portas no final do dia. O ano de 2017 veio de uma forma muito boa, pelo menos pra mim. Teve uma vez que nos desentendemos feio. Foi ela que começou a puxar assunto sobre minha irmã, aquela mesma história que já falei, ela achar que a madrinha denga muito o sobrinho. Nesse dia senti que ela estava arrumando um pretexto pra arrumar confusão comigo, passou uma duas horas falando, e queria que eu ligasse pra minha irmã pra reclamar sobre o assunto. Não fiz, até porque era ela que estava incomodada com a situação, e além disso o filho não é só meu. Às vezes temos algumas brigas sérias por conta do nosso filho, porque ela muitas vezes espera que eu o corrija...Costumo dizer que ela só quer os momentos bons com ele...Acredito ser verdade, pois muitas vezes quando ele está fazendo mal criação, ela grita de lá: “olha marido oque teu filho tá fazendo”. Caramba, isso me dá nos nervos, quando o filhote faz isso comigo não espero por ela. Eu o corrijo na mesma hora. E ela muitas vezes não faz, ou me chama pra dar bronca. Agora nem vou mais, só faço falar: “Te vira! É teu filho também”. Antes de tudo quero que ele cresça um homem íntegro, respeitador e honesto. Aí veio agosto de 2017, meu mundo veio a baixo. A felicidade que sentia, quando estava em casa com eles, minha esposa e filho, ao vê-los correndo pela casa, quando eu estava brincando com eles na cama de fazer cócegas era muito grande. Eu dizia só pra mim: “Obrigado meu Deus por me dar tanta felicidade”. Se no início eu apenas gostava dela, naquele momento eu a amava demais. Tudo isso acabou! Descobri que ela estava me traindo com um ex professor da faculdade. E pra completar ele mora na rua de trás de casa. No início ela tentou negar tudo, dizendo que era invenção da minha cabeça. Mas eu tinha provas, e contra provas não há argumentos. Ela tentou esconder quem era a pessoa no início, tentou dizer que saiu só aquela vez que descobri...Mas aos poucos, por conta própria, descobri que ela já vinha saindo com o cara desde 2015, lembra da pressão que estava sofrendo? Pois é, e essa história toda de estarmos sofrendo pressão, foi oque ela diz ter causado a traição. Quando estive fazendo o curso, ela saiu várias vezes com ele, e depois me alegou que era porque achava que estava saindo com minha ex. Em maio de 2017 foi a última vez que ela diz ter saído com ele. Aqui eu preciso fazer um parêntese: Mais ou menos em 2013, não lembro bem a data, sério, a ex entrou em contato comigo, ai acabou que fizemos várias chamadas pelo skype, e ficamos nus um para outro. Rolou masturbação, confesso. Mas parou aí. Nunca mais encontrei com ela, e depois disso também não falei mais com ela. Logo depois que aconteceu as chamadas de skype, me arrependi muito, não é uma coisa que sinto orgulho. Mas também até eu descobrir a traição da minha esposa, eu ainda não tinha contado pra ela oque havia ocorrido. Ou seja, teoricamente, ela não teria motivos reais pra me trair, porque ela nem desconfiava. Brigamos muito, xingamos um ao outro. Eu chorei muito, ela também. Ela diz que sempre me amou, nunca deixou de gostar de mim. Que acha que foram coisas que deveria ter feito enquanto era solteira. Estamos juntos, ainda gosto muito dela...Tenho medo de perder minha família… Mas fico muito receoso de quebrar a cara novamente. Às vezes sinto que fui duplamente sacaneado por ela, porque se eu quiser me separar dela, terei que abrir mão também do meu sonho, de trabalhar perto de casa. Não existe um dia que não pense no que ela fez, no que ela pode ter feito com o cara. Me sinto muito humilhado. Estamos junto, mas por enquanto não consigo me ver novamente com ela como antes, os dois velhinhos… Ela toda curvadinha e eu segurando ela pelo braço...Cara é foda! Que vontade de chorar! Sinto meu orgulho ferido...Eu posso não ser o melhor homem do mundo, mas também sei que não merecia isso, sei que a opção de fazer foi totalmente dela, independente das pressões, brigas e dificuldades que tenhamos passado. Eu fiz uma viagem com ela agora para um destino romântico, foi legal...Mas...Depois disso tudo sempre tem o “mas”. Essa semana briguei feio com ela novamente, não estou em casa, estou trabalhando…Sinceramente não sei oque fazer. Já tentamos psicóloga, mas acho que não adiantou muito não. A verdade é que às vezes queria machucá-la, fazê-la sentir oque eu sinto às vezes. Essa semana instalei tinder e esses outros app, queria me sentir valorizado. Às vezes me vejo fazendo e dizendo coisas pra ela só pra ver se ainda gosta de mim. Me sinto ridículo quando percebo. Teve ocasiões em que até pensei em inventar pra ela que estive com a ex. Agora estou pensando em fazer uma viagem sozinho, pra um lugar bem distante quando sair do trabalho. Penso que preciso de um tempo só comigo mesmo. Queria opiniões e maneiras de pensar de pessoas que não façam parte do meu convívio. Por isso postei aqui.
submitted by antoniobrasileiro to desabafos [link] [comments]


2015.05.30 04:54 MdxBhmt Polícia no paraná - Aconteceu em Foz do Iguaçu

Bem, não pensei que iria acontecer, mas estou aqui compartilhando um texto de um jornalista/autor de foz, Rogério bonato. Sou longe de ser um fã dele pelos rolos que ele se meteu e pela inação dele na fundação cultural da cidade, mas o acontecido aqui é pra fazer pensar:
Ridículo
Muito mais do que ridículo. Põe ridículo nisso.
Sou um adepto frequentador de um local em Foz do Iguaçu chamado “Bar do Juca”. Faz mais de 20 anos que esquento uma cadeira no aprazível estabelecimento. Ultimamente ando bebendo apenas água; no máximo duas taças de vinho na semana. Estou levando a sério os preceitos medicinais; cuidando especialmente do fígado.
Mesmo assim vou ao boteco, pois lá estão os amigos, companheiros de um bom papo. Para quem trabalha em média 16 horas por dia, ir ao bar é puro relax. Confesso que antes, dava a minha “passadela” quase todos os dias; batia o cartão regularmente, agora, compareço no máximo, duas vezes na semana, nas quintas ou sextas, ou no sábado, pela hora do almoço.
Gosto muito do lugar, como um gato gostaria de uma casa, o problema é que o gato bebe leite, conforme meu texto para o longa-metragem “Boteco, Mil e Uma Vezes Boteco”, que em breve estará nas telas dos cinemas brasileiros.
Foi meu primeiro longa de ficção. Antes eu só havia dirigido documentários. Aquele bar, inclusive, serviu de cenários para as filmagens. Mas isso é um outro assunto; em breve tratarei do tema com exclusividade e quem sabe, mostrando algumas partes dos filme.
Então, na última quinta-feira (28/05) fui ao bar. Era um pouco tarde, além do mais estava sem sono. Um amigo que é professor na Unila pediu que eu ficasse um pouco mais, pois haveria um encontro entre mestres, alunos e pessoas de todo o Brasil e países da América Latina; participantes de um evento de Economia Política.
Fiquei orgulhoso com o que presenciei. Num certo momento, senti como estivesse no Baixo Gávea, tradicional ponto de encontro no Rio, ou em Santa Madalena (Sampa), de tanta gente que havia. Uma moçada bonita, sadia, conversando ordeiramente; falavam especialmente do evento, mas também da cidade e seus belos atrativos; combinavam uma escapada até eles, caso houvesse uma brecha no seminário. As calçadas estavam simplesmente lotadas. Por baixo havia umas 200 pessoas se misturando aos habituais frequentadores.
Lembrei os tempos em que havia cantoria com Saudosa Maloca, Trem das Onze, além das músicas do Cartola e Pixinguinha no repertório. Fui apanhado pela doce lembrança de antigamente; o meu passado ávido de esperança no futuro, pra ver coisas como aquela, acontecendo. Puxa vida, eu lutei tanto pra ver aquilo?
Foi de fato uma noite especial. Elogiamos o bom gosto dos universitários, em verdade, nos certificamos que nem tudo estava perdido, ao reverenciarem o mesmo que um dia reverenciamos. Misteriosamente não havia um automóvel com a porta aberta, com o som nas alturas, rolando música sertaneja. Havia um violão tocando baixinho.
Não demorou, passou uma viatura da Polícia Militar. Depois apareceu outra e, logo, mais uma. Minutos depois um camburão; desembarcaram soldados paramentados com fuzis, coletes robustos, rádios de comunicação com o quartel. De tantas luzes piscando, a esquina ficou parecida com o interior de uma boate. Num certo momento, os policias enfileiraram, formaram uma espécie de cordão.
Contei seis viaturas!!! E havia outras pelas cercanias, estacionadas estrategicamente em “caso de distúrbio”. Ouvi um policial dizendo isso. Do outro lado da rua, os estudantes, professores, convivas do boteco, transeuntes, o bêbado que fica esperando um gole de graça; o mendigo que cata as bitucas, os cachorros perdidos de rua; todos embasbacados com aquela imagem dantesca; sumariamente repressiva, já que nada de errado acontecia.
Poxa, no fim das contas entrei foi num túnel do tempo, como nos anos de chumbo, quando era proibido encontrar os amigos nas esquinas; fazer uma rodinha de samba e falar das coisas boas provindas de nossa deliciosa juventude, mesmo a pobre, torpe, embaçada juventude que era tão reprimida. Juro por Deus, correu um frio na espinha; vi a lágrima correr no rosto de um companheiro; decerto sentiu a mesma coisa. Sintomaticatelepaticatristemente sentiu.
Ah, como fez o Juca, fui conversar com os policiais. Com os oficiais, sargentos cabos e soldados. Fui bem recebido, verdade, como cidadão fui respeitado. Disseram que alguém denunciou uma desordem, barulho; perturbação da ordem, paz e sossego dos moradores no entrono do bar. Quem denunciou, exagerou. A polícia fez a sua parte, exageradamente ao meu modesto entendimento.
As luzes do bar foram timidamente se apagando, os jovens dispersando; as portas uma por uma, baixando. Havia bagunça e confusão numa porção de botecos pela cidade; carros com o som fazendo o chão tremer por ai; atazanando o sono de bairros inteiros; podem crer que havia também bandidos trocando tiros com cidadãos em outros lugares; mas a gloriosa polícia militar estava toda lá, cuidando dos temíveis universitários da Unila e seus colegas de vários estados e países. Que boa lembrança esse povo vai levar da cidade.
Sem palavrões, mas *&#@%$#@, o que vai acontecer quando o sonho de transformar Foz em CIDADE UNIVERSITÁRIA, se concretizar? Que ridículo! Passei vergonha; pedi desculpas para um monte de gente, tentei ligar para alguém no batalhão e explicar o equívoco. Ninguém atendeu.
Oras, deem um tempo! Uma coisa é reprimir a desordem; mas abafar a ordem, isso é coisa de um tempo que eu faço força para não lembrar. Desculpem-me pela sinceridade, mas a polícia e até mesmo os moradores precisam uma “dozezinha” de tolerância; pois o tipo de reunião que havia ontem, é daquelas que o povo debruça na janela em Ouro Preto, Olinda e cidades acostumadas com a jovial e próspera inteligência.
Também fico irritado quando há bagunça e perturbam a minha ordem; quando roubam o meu sono, mas não era o caso, naquela noite.
EDIT: Pedi a moderação se posso linkar o face ou pelo menos as fotos que tavam junto com o post, pra dar mais contexto.
submitted by MdxBhmt to brasil [link] [comments]


COMO CONSEGUIR A ROUPA DO PALHAÇO DE GRAÇA NO FREE FIRE BATTLEGROUNDS !! ROUPA JOKER GRÁTIS Como encontrar os artigos no Linkedin Como assistir novelas grátis Procurar amigos do fece em outra cidade Melhor site para assistir filmes e series no google para Android e pc Como me adicionar na steam! GANHE ITENS DE GRAÇA AGORA E O PASSE DE BATALHA - Fortnite

Achar Pessoas pelo nome - Encontrar pessoa pelo Nome SEM ...

  1. COMO CONSEGUIR A ROUPA DO PALHAÇO DE GRAÇA NO FREE FIRE BATTLEGROUNDS !! ROUPA JOKER GRÁTIS
  2. Como encontrar os artigos no Linkedin
  3. Como assistir novelas grátis
  4. Procurar amigos do fece em outra cidade
  5. Melhor site para assistir filmes e series no google para Android e pc
  6. Como me adicionar na steam!
  7. GANHE ITENS DE GRAÇA AGORA E O PASSE DE BATALHA - Fortnite

Os artigos continuam por aqui, fiz um tutorial para você acessá-los em menos de 30 segundos. Solta o play e confere mais de 130 textos pra você. Ajude a divulgar marcando um amigo e/ou deixando ... Nome do app_Dalymotion. Escolha a novela completa que voce quer no canal ; Qual novela voce quer ver completa aqui ? HOJE ENSINO COMO CONSEGUIR A ROUPA DO PALHAÇO DE GRAÇA NO FREE FIRE BATTLEGROUNDS !! ROUPA JOKER GRÁTIS, A roupa do Palhaço Noturno no Free Fire, ela está disponível para compra no Cubo ... top 3 melhores aplicativos para assistir filmes e sÉries no android 2020 ... império mobile 866,706 views. 6:16. como assistir filmes e sÉries de graÇa no pc (sem programas!!) - duration: 4:58 Como encontrar e adicionar amigos no Facebook! - Duration: 10:05. ... 5 dicas para Facebook como encontrar pessoas facil no Facebook ... DESCUBRA O DONO DE QUALQUER NÚMERO! 😱🔥 ANDROID E IPHONE! Bom galera, kaka a bola do mar aqui e seja bem vindo a mais um video aqui no canal de Fortnite. Desta vez trago como pegar os itens de graça (Skin de arma, paraquedas e sobre o passe s8) »Meu ... Não esqueça de ajudar o canal dando o seu Like, é de graça e ajuda muito mesmo! Ative o 🔔 ao lado do botão de inscrição e não perca as Lives!